Sesc apresenta Mama Tuyuka: exposição de Chermie Ferreira sobre a Mãe Terra
maio13

Sesc apresenta Mama Tuyuka: exposição de Chermie Ferreira sobre a Mãe Terra

Trabalho da artista manauara, ribeirinha e Kokama une graffiti e artes plásticas O Sesc Amazonas promove, no período de 27 de maio a 29 de Julho, a exposição Mama Tuyuka da artista plástica e grafiteira Chermie Ferreira. Com entrada gratuita, a mostra tem curadoria de Virna Lisie e será realizada na galeria Moacir Andrade (rua Henrique Martins, 427, Centro), no horário das 9h às 12h (às segundas-feiras) e das 12h30 às 15h30 (às quartas-feiras). Mama Tuyuka, MÃE TERRA para o povo Kokama, representa aquela que sustenta tudo ao seu redor, que cuida, protege e alimenta. A exposição MAMA TUYUKA traz uma série de telas em canvas, papel e madeira, marcadas por traços expressionistas em uma combinação única de spray (do graffiti) e acrílica (das artes plásticas). As obras de Chermie trazem em cores, reflexos, texturas, narrativas e traços, a grandeza de cada mãe dos povos originários da Amazônia. A ARTISTA: Chermie Ferreira é manauara e se divide entre trabalhos na capital amazonense e em São Paulo, onde é representada por uma galeria de arte urbana com matriz no Beco do Batman, point do graffiti paulistano. Street artist/grafiteira desde os 16 anos, a artista tem sólida experiência no movimento de arte urbana nacional, além de coordenar diversos eventos nacionais e internacionais voltados para a divulgação do graffiti, especialmente do trabalho realizado por artistas mulheres. Durante a pandemia do novo coronavírus, o isolamento causou sentimentos conflitantes que levaram a artista a vivenciar a transição de grafitar muros para pintar em telas, papel e objetos. O momento de dificuldades e reflexão também levou a artista a se voltar para histórias da família e se ver e reconhecer como ribeirinha e indígena do povo Kokama. Como resultado, neste momento pós-pandemia, Chermie realiza sua primeira exposição solo em Manaus. Numa produção profícua e constante, que acelerou durante a pandemia, a artista não parou de criar e produzir, sempre com muito estudo, pesquisa em história da arte universal, especialmente a pesquisa baseada em fotógrafos indígenas do século 20 e 21, e criou seu próprio processo de criação, no qual condensa suas pesquisas com as memórias de batalhas pessoais narradas de geração em geração pelas mulheres de sua família. Chermie Ferreira nasceu Sarah, recentemente se descobriu Wira Tini (pássaro branco) em Kokama e agora traz para o Sesc AM essa mistura muito brasileira, que transborda em diferentes linguagens artísticas, técnicas e materiais. Sua arte passa ao público valores e sentimentos da luta pela visibilidade das mulheres do Norte, principalmente, mulheres ribeirinhas e as mulheres originárias indígenas, as inspiradoras da exposição MAMA TUYUKA. Resumo Assunto: Exposição Mama Tuyuka – artista plástica e grafiteira Chermie Ferreira; Local: Galeria...

Leia Mais
Projeto ‘Palhaçaria Navegante’ desembarca nos municípios de Beruri, Anamã e Caapiranga
maio03

Projeto ‘Palhaçaria Navegante’ desembarca nos municípios de Beruri, Anamã e Caapiranga

Artistas apresentam espetáculos “Imundo de Sofia” e “Roda na Praça” no interior do Amazonas Depois de passar por seis municípios da calha do rio Solimões, o projeto cultural “Palhaçaria Navegante” volta a circular pelo interior do Amazonas, levando riso e alegria na bagagem. Entre os dias 04 e 11 de maio, a trupe de artistas se apresenta nos municípios de Beruri, Anamã e Caapiranga com os espetáculos teatrais/circenses “Imundo de Sofia” e “Roda na Praça”. A iniciativa foi contemplada no “Prêmio Amazonas Cultura em Rede”, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa. Segundo a coordenadora e produtora Ana Oliveira, da FitaCrepe Filmes e Artes Cênicas, a equipe é composta de 20 pessoas, entre palhaços, malabaristas, técnicos e a tripulação do barco alugado para a viagem. “Agora vamos poder realizar o projeto no seu formato original, porque ano passado, devido à pandemia, tivemos que readequar o formato das apresentações para diminuir os riscos. Dessa vez, ficaremos em cada município por dois dias, o que vai possibilitar uma troca maior com a população. Já estamos muito animados!”, afirma a produtora. Para ela, poder sair do “eixo” da capital para se apresentar em outras regiões do estado é importante para criar redes e fortalecer laços por meio da arte. Em 2021, o projeto “Palhaçaria Navegante” passou por Tabatinga, São Paulo de Olivença, Tefé, Coari, Codajás e Anori, com apoio do Programa Cultura Criativa 2020/Lei Aldir Blanc – Prêmios Feliciano Lana e Equipa Cultura, do Governo do Amazonas, e do Prêmio Funarte de Apoio ao Espetáculo Circense 2020, do Governo Federal. “É quase que um dever cívico de todo artista de escoar a sua produção, de atingir outras populações, então são muito importantes essas políticas públicas de fomento que permitem que a gente chegue nos lugares mais distantes. Quem está lá também tem direito a esse acesso e talvez se descobrir artista. Tudo isso só faz a gente crescer em humanidade”, acrescenta Oliveira. SOBRE OS ESPETÁCULOS “Imundo de Sofia” é um solo que surgiu da vontade de dar voz e cor às pessoas que normalmente são invisibilizadas na nossa sociedade, trazendo à cena uma palhaça faxineira, interpretada por Ana Oliveira. O espetáculo foi dirigido por um dos grandes nomes da palhaçaria brasileira, Ricardo Puccetti do Lume Teatro (SP). “Roda na Praça” é um projeto de palhaçaria que se propõe a levar o circo para espaços públicos, com um elenco de artistas de vários segmentos e diferentes técnicas. O projeto iniciou suas atividades em 2016, em Manaus, e já passou por Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Londrina (PR) e Rio de Janeiro (RJ). PROGRAMAÇÃO BERURI 04 de maio 15h30 – Imundo...

Leia Mais
Papa Francisco nomeia superintendente da FAS na Pontifícia Academia de Ciências Sociais do Vaticano
maio03

Papa Francisco nomeia superintendente da FAS na Pontifícia Academia de Ciências Sociais do Vaticano

O superintendente geral da Fundação Amazônia Sustentável (FAS) e engenheiro florestal, Virgilio Viana, foi oficialmente integrado à Pontifícia Academia de Ciências Sociais do Vaticano. A cerimônia aconteceu na última sexta-feira, dia 29 de abril, no Vaticano, localizado na Itália, que é a sede da Igreja Católica e residência oficial do papa. O evento foi realizado na simbólica Sala do Consistório, que fica no terceiro andar do Palácio Apostólico. É uma sala especial, decorada com afrescos e tapeçarias de mestres italianos, onde os papas tomam suas decisões com o colegiado de cardeais. Foi nesta sala que o Papa Bento XVI anunciou a sua renúncia aos cardeais. Virgilio Viana entra para a academia, que é um grupo de especialistas de confiança do papa, para dar conselhos sobre meio ambiente, mudanças climáticas e Amazônia – temas prioritários para o papa Francisco. “Foi um momento muito emocionante, considerando o carinho que o Papa Francisco me recebeu, expressando sua grande preocupação pelo futuro da Amazônia”, afirma Virgilio. “Ao receber a insígnia dada pelo Papa, senti um senso de responsabilidade renovada para contribuir com os grandes desafios da humanidade, num período marcado por guerras, desigualdades sociais crescentes, fake news e mudanças climáticas”. Sobre Virgilio Viana Virgilio Viana é engenheiro florestal e PhD em Biologia pela Universidade de Harvard, foi presidente da Sociedade Brasileira de Etnobiologia e Etnoecologia (SBEE) e, atualmente, é presidente da Associação Paulista de Engenheiros Florestais (APAEF) e membro da Comissão The Lancet COVID-19. Ele atua em defesa do meio ambiente e da Amazônia, já publicou diversos livros e artigos sobre temas relacionados a mudanças climáticas, manejo florestal e agroflorestal, entre outros. À frente da FAS, é responsável por uma série de projetos que transformam a vida de milhares de pessoas, principalmente de ribeirinhos e indígenas que vivem na Amazônia profunda. Sobre a FAS Fundada em 2008 e com sede em Manaus/AM, a Fundação Amazônia Sustentável (FAS) é uma organização da sociedade civil e sem fins lucrativos que dissemina e implementa conhecimentos sobre desenvolvimento sustentável, contribuindo para a conservação da Amazônia. A instituição atua com projetos voltados para educação, empreendedorismo, turismo sustentável, inovação, saúde e outras áreas prioritárias. Por meio da valorização da floresta em pé e de sua sociobiodiversidade, a FAS desenvolve trabalhos que promovem a melhoria da qualidade de vida de comunidades ribeirinhas, indígenas e periféricas da Amazônia. Créditos das imagens: Gabriella...

Leia Mais
Livro-reportagem reúne personagens com diferentes visões sobre Manaus e a floresta
maio03

Livro-reportagem reúne personagens com diferentes visões sobre Manaus e a floresta

Como Manaus enxerga a floresta ao seu redor? Essa pergunta foi o ponto de partida para o livro-reportagem ‘Manaus de Frente para a Floresta’, do jornalista Sérgio Adeodato, com lançamento marcado para 17 de maio. A obra traz a visão de 60 personalidades de Manaus, anônimas e famosas, sobre a relação entre a metrópole da Amazônia, a floresta que a cerca e os desafios da região para o futuro. O livro é um dos produtos do projeto multimídia ‘Manaus de Frente para Floresta’, que tem apoio da Manauscult, Fundação Amazônia Sustentável (FAS), Instituto de Conservação e Desenvolvimento do Amazonas (Idesam), Instituto Arapyaú, Uma Concertação pela Amazônia, Impact Hub Manaus e Coca-Cola Brasil. O objetivo da iniciativa é contribuir para o debate sobre as soluções e o futuro de Manaus, e de suas diferentes realidades. Personalidades como o músico Celdo Braga, o empresário Denis Minev, o artista plástico Luiz Antonio Vieira e a ambientalista Érika Schloemp, ao lado de mais de 60 outros personagens, entre pesquisadores, lideranças sociais, gestores públicos e empreendedores, compartilharam suas visões sobre a relação entre a capital amazonense e os desafios da Amazônia. De acordo com o autor, o objetivo do livro é criar um espaço de fala para “sensibilizar, promover o diálogo, empoderar os atores locais”. “Normalmente se fala que Manaus é uma cidade que vive de costas para a floresta e isso sempre me deixou intrigado. Como uma cidade no meio da Amazônia vive de costas para a floresta? Resolvi fazer um projeto mostrando o oposto, a Manaus de frente para a floresta, com seus desafios e positividades, em uma abordagem construtiva: apresentar os problemas e debater as soluções”, explica Sérgio Adeodato. O livro-reportagem traz textos, fotos, dados e análises sobre os aspectos econômico, social e ambiental da maior metrópole da Amazônia, uma região que se encontra no centro das discussões sobre a mudança climática e o desenvolvimento sustentável. A narrativa é entremeada por imagens fotográficas produzidas por André Pessoa e Bruno Kelly, fotojornalista que tem um ensaio fotográfico especial sobre a temática, publicado na obra. Sobre o autor Sérgio Adeodato é jornalista especializado em meio ambiente, sustentabilidade e temas socioambientais e culturais. Com mais de 30 anos de carreira, atuou em veículos de comunicação nacionais, como o Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Globo Ciência, Época e Horizonte Geográfico. É autor de livros como ‘Amazônia, Floresta Assassinada’, ‘Arte da Reciclagem’ e ‘Retratos Culturais do Arco e Flecha no Amazonas’. Vencedor de prêmios como Ethos de Jornalismo, Prêmio Abrelpe de Reportagem e Prêmio Santander de Jornalismo, entre outros. Atualmente, o jornalista é repórter freelancer para o Valor Econômico e Página 22....

Leia Mais
Desmatamento e focos de calor em 2021 na área da BR-319
fev08

Desmatamento e focos de calor em 2021 na área da BR-319

O aumento do desmatamento registrado foi de 41% em relação ao ano anterior. Dados também são os mais altos desde 2010 O ano de 2021 foi um dos mais difíceis para a Amazônia, pois a devastação do bioma, em diversos sentidos, avançou a passos largos. Seguindo esta tendência, a área de influência da BR-319 registrou recordes de desmatamento e focos de calor. As informações fazem parte do relatório “Retrospectiva 2021: desmatamento e focos de calor na área de influência da rodovia BR-319”, produzido pelo Observatório BR-319 (OBR-319) e divulgado nesta segunda-feira (7). O conteúdo apresenta dados e análises que mostram que municípios que nunca tinham registrado números expressivos, como Tapauá (AM), se destacaram no monitoramento. Além disso, chama a atenção o Estado do Amazonas, por onde passa a maior parte da rodovia, que vem se consolidando entre os que mais destroem a floresta na região. Quinze por cento, dos 1.036.550 de hectares (ha) desmatados na Amazônia Legal, foram perdidos na área de influência da rodovia BR-319, que teve um aumento de 41% no desmatamento em relação a 2020, sendo o maior registro de área desmatada desde 2010. Para 11 dos 13 municípios monitorados pelo OBR-319, 2021 foi o período de maior desmatamento nos últimos 11 anos. Os seis municípios que tiveram maiores índices de desmatamento estão ao sul da BR-319: Lábrea, Porto Velho, Humaitá, Manicoré, Canutama e Tapauá. Juntos, representaram 94% do total desmatado nos municípios da BR-319 durante o ano. O município de Lábrea foi o destaque na lista de registros mensais, liderando o ranking nos meses de março, abril, maio, junho, agosto, setembro e outubro. Já Tapauá apresentou o maior aumento em comparação a 2020, com alta de 192%. O aumento de registros de focos de calor também foi preocupante. Os 13 municípios da área de influência da BR-319 somaram mais de 10 mil focos durante 2021, um recorde para os últimos 12 anos e aumento de 9% em relação a 2020. Além disso, Lábrea e Tapauá registraram o maior número de focos de calor da série histórica. O desmatamento e os focos de calor afetaram também as Áreas Protegidas na região da BR-319. A Reserva Extrativista (Resex) Jaci-Paraná e a Terra Indígena (TI) Karipuna, em Rondônia, apresentaram os maiores índices referentes ao desmatamento e focos de calor entre as Unidades de Conservação (UCs) e Terras Indígenas (TIs), respectivamente. A UC registrou 654 focos de queimadas e perdeu 7.818 ha para o desmatamento. A TI teve 81 focos e 1.091 ha desmatados.Se a alta de desmatamento e de focos de calor já preocupam, a retrospectiva do OBR-319 aponta ainda poucas ações efetivas de combate aos ilícitos ambientais...

Leia Mais
“Arapaima”, de Bruno Kelly está disponível para download
maio24

“Arapaima”, de Bruno Kelly está disponível para download

O fotógrafo Bruno Kelly apresenta, o livro “Arapaima”, que traz, em formato on-line, um ensaio visual e emocional sobre uma das mais bem-sucedidas iniciativas de manejo comunitário e desenvolvimento sustentável na Amazônia: o manejo do pirarucu. O projeto foi contemplado no edital Prêmio Feliciano Lana, que faz parte das ações emergenciais da Lei nº 14.017/2020, conhecida como Lei Aldir Blanc, operacionalizada no Estado através do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, com apoio do Governo Federal, Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Fundo Nacional de Cultura. Clique aqui para baixar o livro. Segundo Bruno Kelly, a publicação para download vai ficar disponível no site livroarapaima.com.br enquanto os livros físicos vão ser distribuídos, de forma gratuita, para bibliotecas públicas da capital e do interior, universidades, espaços públicos de visitação turística e às comunidades ribeirinhas que foram documentadas, no rio Juruá e na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas. Ele destaca que a obra retrata o cotidiano do manejo e como os ribeirinhos, com união e gestão comunitária, conseguiram transformar uma prática cultural tradicional como a pesca do pirarucu, antes realizada de forma isolada e predatória, em uma atividade sustentável. “A proposta é que as pessoas tenham conhecimento sobre esse projeto, que é possível fazer da Amazônia, dentro do que ela pode dar e sem ser destruída, um retorno para quem mora nas comunidades ribeirinhas. É importante dar essa visibilidade, para que eles possam se ver naquilo que fazem e entender a importância do trabalho, porque eles são os verdadeiros guardiões da floresta, os povos tradicionais, seja o ribeirinho, o indígena ou o quilombola”, afirma o fotógrafo. “Vamos mandar exemplares para as escolas municipais das comunidades polos e para associações de pescadores, para eles usarem como apresentação para entidades interessadas em financiar novas iniciativas para eles”. Bruno Kelly conta que a narrativa do livro de 80 páginas foi construída em parceria com o editor Henry Milleo, um dos idealizadores da Editora Artisan Raw Books junto com Márcio Pimenta, numa curadoria entre mais de 10 mil fotos e com a escritora Monica Prestes, que relatou a experiência dela e trouxe a perspectiva dos pescadores. “Usamos as falas dos próprios pescadores, para mostrar o que é a pesca para eles, o que representa a floresta e o ambiente que eles vivem. São narrativas muito importantes como exemplo sobre as comunidades tradicionais da Amazônia”, comenta o autor. “O site fica no ar por mais de dois anos e vai ajudar o projeto a chegar a mais pessoas dentro e fora do País. Pensamos também na continuidade da documentação e, quem sabe, mais para...

Leia Mais