Festival Potência das Artes no Norte (PAN) divulga selecionados 2021
abr20

Festival Potência das Artes no Norte (PAN) divulga selecionados 2021

Realizado de 24 a 30 de abril, evento on-line terá espetáculos, pitch, núcleo de crítica e programação formativa em sua segunda edição. Dedicado a fortalecer as produções artísticas nortistas, o Potência das Artes no Norte (PAN) divulgou a lista de selecionados para edição 2021 do festival. Além de espetáculos, foram escolhidos projetos para serem apresentados no Pitch e profissionais para compor o Núcleo de Crítica, duas inovações da segunda edição. O PAN será realizado de 24 a 30 de abril, de forma totalmente on-line e gratuita. Do Repente – Lamira Artes Cênicas (TO). Com curadoria formada pelos artistas Ítalo Rui, Francis Madson e Gleidstone Melo, o PAN trará, nesta edição, obras gestadas durante a pandemia e que trazem questões sobre os impactos socioeconômicos, políticos e culturais levados à tona pelo COVID-19; espetáculos criados em confinamento, no interior da casa dos artistas, reinventando seus procedimentos de criação, até trabalhos em um país pré-pandêmico, com discursos urgentes e que ganharam ainda mais força no Brasil de 2021. No total, foram selecionados 14 espetáculos para a programação oficial e sete propostas para o Pitch, todos representantes da região Norte; além de cinco profissionais para o Núcleo de Crítica, que possibilitou a participação de pessoas de todo o País. Cabô – Vitor Rocha (AM). “O papel, desta curadoria, não foi construir de forma leviana uma lista, através de sistemas metodológicos construídos à base de eixos temáticos. Neste exercício ético proporcionado pelo PAN, as obras é que levantaram a dimensão metodológica necessária para serem curadas e, assim, a curadoria tornou-se uma mediadora de ações culturais, entre as ideias do evento e os espetáculos. Neste exercício, que impõe aos curadores diálogo e escuta, debate teórico-prático, devaneios, glossolalias, silêncios, ética e generosidade, partindo do princípio da função social e profissional desse sujeito, focado em formar uma programação diversa e representativa da região Norte. É um gesto decolonial por natureza e visão política contemplar trabalhos que são potências fundamentais, tanto na qualidade e diversidades, mas, também, na representação dos Estados da região Norte”, declaram os curadores em uma carta aberta, assinada coletivamente. AGO – Menina Miúda Produções Artísticas (AM). Confira abaixo a lista de selecionados para cada categoria do PAN 2021. Contemplado pela Lei Aldir Blanc, por meio do edital emergencial Prêmio Feliciano Lana, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, com apoio do Governo Federal, por meio da Secretaria Especial da Cultura. O festival PAN será gratuito e transmitido on-line. Sobre Lourdes e Viviane – Viviane Palandi (AM) Mais informações podem ser encontradas na conta do Instagram @pan.norte ou pelo site https://linktr.ee/pan.norte. Espetáculos selecionados: Video-performances – Uma Estética dos Restos – Amanara Brandão Lube...

Leia Mais
Casa Criativa Vila Vagalume 80 apresenta programação para a semana
dez17

Casa Criativa Vila Vagalume 80 apresenta programação para a semana

Nesta semana, a Casa Criativa Vila Vagalume 80 (Avenida Padre Agostinho Caballero Mattin, 234, São Raimundo) apresentará os projetos contemplados pelo edital Conexões 2020, da Lei Aldir Blanc. As atividades têm o apoio da Prefeitura de Manaus e do Governo Federal. PROJETO “A MATINTA PEREIRA QUE CONTOU” (DIAS 17, 18, 21 e 22/12) A programação desta semana começa com o projeto “A Matinta Pereira que Contou”, idealizado por Marcela Paiva, cujo nome artístico é Marcela Ruanne, e Andreas Dominique. O evento consiste em atividades voltadas paras as crianças de 7 a 12 anos do bairro do São Raimundo, de contação de histórias da cultura afro-amazônida. O projeto acontecerá durante quatro dias, sendo 17/12 (quinta), 18/12 (sexta), 21/12 (segunda) e 22/12 (terça), com início às 15h. Marcela entende a importância da identificação das crianças da região norte com as histórias que as representam. “Matinta Pereira é a lenda de uma sábia feiticeira protetora da floresta, que durante a noite se transformava em pássaro para observar a mata e, portanto, contava diversas histórias. Nessa perspectiva, podemos lembrar de nossos pais e avós, que transmitem ensinamentos e experiências às gerações futuras. Entre as histórias reais e fantasias, narrativas como a do Saci Pererê, da Iara, do Boto, do Boi Tatá e da Matinta Pereira vem caindo no esquecimento” explica artista, que é residente na Vila Vagalume desde 2019. O projeto propõe uma reconexão com a natureza e seus elementos, principalmente àqueles que carregam o sangue de indígenas e negros. Ela também pontua a necessidade desse resgate ancestral através de contos e, para isso, utilizará a contação de história como ferramenta com o intuito de alcançar as crianças da comunidade local que muitas vezes não possuem acesso à literatura e sequer sabem da existência da literatura negra e indígena, que podem trazer um sentimento de identificação com as suas próprias realidades. “E tão importante quanto, o projeto almeja desenvolver nas crianças brancas o sentimento de empatia e respeito às diferenças”, acrescenta. O projeto estimulará a criatividade e a participação das crianças através da leitura e da reutilização de instrumentos a partir de elementos mais orgânicos, criando sonoridades que se direcionam com cada história. “As crianças serão participantes da construção do conto, utilizando os elementos que as cercam, através da música, da poesia e das sensações que causam”, conta Andreas Dominique. Para maiores informações e inscrições, os pais devem entrar em contato no telefone 99340-6359. As vagas são limitadas. PROJETO “INICIAÇÃO AO CONTRABAIXO” (DIA 18/12) No dia 18/12 (sexta), será a vez do lançamento da primeira videoaula do projeto “Iniciação ao contrabaixo”, do músico Mauro Lima, que será disponibilizada gratuitamente no canal do You...

Leia Mais
Festivais no Amazonas e os impactos da Covid-19
Maio27

Festivais no Amazonas e os impactos da Covid-19

Festival Até o Tucupi convida nesta quinta (28) festivais amazonenses para debate online, que reflete as produções em tempos de coronavírus e isolamento social. O Festival Até o Tucupi de Artes Integradas, que em 2020 completa 14 anos de realização ininterrupta, provoca o debate Festivais no Amazonas e os Impactos da Covid-19, com produtores de Festivais do Estado do Amazonas, para refletirem o cenário artístico-cultural no contexto de pandemia, medidas restritivas e seus impactos nessa cadeia produtiva. O debate acontece nesta quinta-feira,  28 de maio de 2020, às 19h e terá transmissão ao vivo no Facebook e YouTube do Coletivo Difusão. Os festivais, feiras e festas no país que já não cancelaram/adiaram suas edições, no mínimo estão repensando seus formatos, até realizando suas programações em formato on-line. De acordo com um levantamento feito pelo DATA SIM em março de 2020, 536 empresas ouvidas pela pesquisa reportaram o adiamento ou cancelamento de mais de 8 mil eventos de música ao vivo em 21 estados do Brasil. Se os resultados fossem projetados para todas as 62 mil MEIs da “música ao vivo” (empresas individuais de “Produção” e “Sonorização e Iluminação”), os prejuízos seriam de R$ 3 bilhões afetando um milhão de trabalhadores.  Outro ponto em análise se configura na aprovação da PL 1075/2020, Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, aprovada nesta terça-feira (26) na Câmara dos Deputados e que agora segue para o Senado Federal. A proposta visa destinar uma ajuda ao setor cultural durante a crise da pandemia de R$ 3 bilhões. Se a proposta for aprovada o recurso será repassado pelo Governo Federal, em até 15 dias da publicação da Lei, aos estados, municípios e ao Distrito Federal, destinada aos fundos de cultura e aplicados na renda mensal para trabalhadores do setor.  Para debater os impactos da Covid-19 e do isolamento social na realização de festivais foram convidadas representantes do Festival de Parintins: Lydia Lucia, Boi Bumbá Garantido e Ericky Nakanome, do Boi Bumbá Caprichoso. Além de produtores como: Elisa Maia, Festival Somas; Paulo Trindade, Festival Até o Tucupi; Diego Bauer, Olhar do Norte; Ana Oliveira, Potência das Artes do Norte; Márcia Novo, Tarumã Alive; Laelia Nogueira, Feira Urbana de Alternativas. A mediação com convidados será conduzida pela produtora Michelle Andrews, com apoio na mediação de comentários de Adelon Murari e Pedro Cacheado, onde o público pode interagir nos chats com perguntas e comentários aos convidados e mediadores. O Coletivo Difusão assina a realização da atividade. A organização cultural fomenta cultura e atua na integração entre as manifestações artísticas independentes nas ações e projetos que executa. Sobre o Festival Até o Tucupi O Festival Até o Tucupi de Artes...

Leia Mais
“Rua 9” reúne diferentes linguagens das artes no Ateliê 23
dez11

“Rua 9” reúne diferentes linguagens das artes no Ateliê 23

Programação é realizada pelo Coletivo de Pesquisa em Artes da Cena Erva Daninha e custa R$ 15. Gastronomia, apresentações performáticas e musicais, além de exposições de artistas locais estarão fazendo parte da programação da temporada do espetáculo “Rua 9”, que ocorre nesta quarta e quinta-feira (11/12 e 12/12), no Ateliê 23, localizado na Rua Tapajós, n. 166, Centro de Manaus. Os ingressos estão à R$ 15 e podem ser garantidos na bilheteria do espaço. Organizado pelo Coletivo de Pesquisa em Artes da Cena Erva Daninha, o evento inicia às 18h com os projetos de sonorização com foco na música eletrônica “CONCEPT R” e “Chantall”, do artista Ryan Castro. Na quarta, às 19h, ocorrerá um pocket show musical com o cantor local Number Teddie. Na quinta, também às 19h, as músicas autorais escritas pelo elenco do “Rua 9” serão apresentadas com a participação de Patrick Oliveira na programação musical que antecede o espetáculo, que ocorre nos dois dias às 20h. A reunião de diversas linguagens artísticas tem o intuito de não só entreter o público, mas também criar um espaço onde outros artistas podem mostrar seus trabalhos, como esclarece o diretor de “Rua 9”, Paulo Tiago. “Nossa iniciativa propõe estimular o desenvolvimento da produção cultural na cidade e também é um momento de partilha, de troca deste trabalho que está em constante progresso”, disse. SOBRE O ESPETÁCULO “RUA 9” Com base nos livros “Órfãos do Eldorado” do autor amazonense Milton Hatoum e “As Meninas” da autora paulistana Lygia Fagundes Telles, o espetáculo performativo aborda toda a solidão, afetividade e turbulências da existência humana pelos olhos de órfãos que vivem à mercê da sorte. “O processo criativo do espetáculo está em constante transformação, as narrativas partem de obras literárias, porém, são relatos pessoais dos atores dentro de uma ficção, criando um contraste entre a ficção e a realidade”, ressalta Paulo Tiago, diretor do espetáculo. Os ingressos serão disponibilizados nos dias das apresentações. Para mais informações, entrar em contato pelo e-mail coletivodepesquisaemartes@gmail.com ou pela página do Instagram @coletivodepesquisa. SERVIÇO O que: TEMPORADA CULTURAL RUA 9. Quando: 11 e 12 de dezembro, a partir das 18h. Onde: Ateliê 23 – Rua Tapajós, n°166, Centro. Quanto: 15$ (meia) (Ingressos disponibilizados uma hora antes da apresentação). Classificação: 14 anos Duração: programação de quatro (04) horas. Ficha técnica Direção geral/encenação: Paulo Tiago Dramaturgia: Bianca Vieira e Paulo Tiago Co-autoria: Elenco Roteiro final: Paulo Tiago Preparação corporal: André Henrines, Julia Morinaga Pesquisa de sonoplastia: Paulo Tiago Elenco: Ananda Kao, Cris Jardim, Julia Morinaga, Nicolas Queiroz, Leonan Valente, Lerigoubres, Ricardo Gabriel, Paulo Tiago Júlio Cesar; Figurino: Ezra Mond, Julia Morinaga e Paulo Tiago; Trilha original: Julio Cesar, Nícolas...

Leia Mais
Sid Sheldowt e Gilmal lançam suas obras sábado no Alienígena Espaço Cultural
nov28

Sid Sheldowt e Gilmal lançam suas obras sábado no Alienígena Espaço Cultural

Por ser um grande amante das artes e valorizar suas raízes culturais, o poeta, compositor e escritor amazonense, Sid Sheldowt, estará lançando seu segundo livro Confrontos de Sentimentos em Fé Maior neste sábado (01), a partir das 17 horas, na livraria e sebo O Alienígena Espaço Cultural, que fica localizada na rua Lima Bacuri, no centro de Manaus. Segundo Sheldowt, o local foi escolhido por se tratar de um ambiente que possui um grande acervo da cultura regional, como CD’s, pinturas e livros de diversos artistas amazonenses. O evento também contará com o lançamento da revista em quadrinhos A Casa da Luz Vermelha, trabalho do cartunista e quadrinista amazonense Gilmal, publicada pelo selo independente Jaracomics, do qual contém histórias de amor e sexo, narradas em traços realistas de uma forma brutal e toda impressa em papel vermelho, seguindo o ponto de vista de um artista “anárquico e inconformável”, conforme as palavras do jornalista Artur Mamede, que também é o responsável pelo texto de apresentação da obra em questão de Sid Sheldowt. Na ocasião, a banda de punk rock/bubblegum/power pop, Os Playmobils, formada pelos irmãos Henrique e Carol Magnani, juntamente com o escritor Albenizio Jr., fará o pocket show de encerramento do evento. Segundo os integrantes da banda, o repertório apresentado reunirá tanto os clássicos como as músicas novas do trio. Para quem curte poesia, quadrinhos e punk rock, o evento é uma boa pedida para o fim de semana. Sobre o livro ‘Confrontos de Sentimentos em Fé Maior’ O livro está sendo publicado pela editora Penalux, de Guaratinguetá (SP), e traz uma compilação de poemas escritos ainda na adolescência de Sheldowt, dividida em três partes: confrontos, sentimentos e fé maior, conforme o título da obra já denuncia. “Em cada parte, sentimos um clima diferente. A primeira parte assume um ar mais irônico, com críticas voltadas para a religião e o universo que a cerca, enquanto a segunda parte volta-se para o eu, para o interno do eu-lírico, despindo assim, seus medos e angústias. Já a terceira parte possui um ar mais agressivo, duro e crítico”, analisou a mineira Vitória Carolyne, que é pesquisadora e editora do blog literário A Teoria das Laranjas. Confrontos de Sentimentos em Fé Maior é a segunda obra literária do poeta, que também lançou, em 2014, o livro de poesias Apocalipse Tribal, publicado pela editora Planeta Azul (RJ), onde aborda as questões do desmatamento da Amazônia e a perda das tradições indígenas para os costumes do homem branco. Apocalipse Tribal não teve grande repercussão na época. Sobre o seu mais recente trabalho e a repercussão que o mesmo vem alcançando antes mesmo do lançamento, o poeta comentou: “É quase impossível se achar poeta e viver como um lobo solitário, numa cidade onde a valorização local é...

Leia Mais
Escritora Carol Peace lança “A ponte”
ago15

Escritora Carol Peace lança “A ponte”

Reflexões, conspirações e ficção científica, a advogada e escritora Carol Peace vai lançar neste fim de semana o livro intitulado “A Ponte”. Conhecida por contos literários e ilustrações, ela decidiu se envolver ainda mais com a literatura. Confira a baixa a entrevista que fizemos sobre o lançamento: Primeiramente, do que se trata o livro? Se fosse defini-lo em três hashtags, quais seriam? “A Ponte” é um conto que se passa em um futuro (não tão distante) devastado pela guerra e pela ganância das grandes corporações. Theo Moraes é um jovem sem qualquer perspectiva para o hoje (e tampouco para o amanhã) que deseja apenas sobreviver em um mundo dominado por uma ditadura cruel. A história é contada do ponto de vista do Theo, enquanto ele começa a entender toda uma conspiração genética que se desenha ao redor dele. Eu usaria as hashtags #distopia #ficçãocientífica e #Manaus, porque é um conto ambientado aqui em nossa cidade. Lançar algo novo é se reconhecer em outra função? Como está sendo esta experiência? Bem, eu sempre escrevi, por assim dizer. Fato é que no momento em que fui alfabetizada já usava as palavras escritas para me expressar no mundo. Muitas pessoas apenas me viam como ilustradora e colorista, no entanto, já tenho vários trabalhos publicados, tais como: contos e, até mesmo, um roteiro para revista em quadrinhos. A função de autora, todavia, não é nada fácil. Você se expõe e se torna uma pessoa pública, por assim dizer. Você deve passar a ter muito cuidado com as suas opiniões e posicionamentos, algo que somente com a maturidade que tenho hoje consigo gerenciar. Que tipo de materiais e formatos artísticos você já lançou? No quesito literário, além de autopublicar muito material, tive alguns contos publicados por editoras e revistas nacionais. Pela Editora Draco publiquei o conto TK2K em uma coletânea chamada “Samurais X Ninjas”. É uma distopia com ares cyberpunk em que cunhei um herói bastante improvável. Contar mais do que isso estragaria a surpresa, mas para quem tiver interesse, é possível adquirir a história no site da Draco. Na revista Trasgo publiquei a história “Você está morto, Jesse Danvers”, que também é uma distopia cyberpunk, contudo a temática é bem mais adulta, uma vez que escrevi voltado para o público LGBTA+. É possível ler a história pelo site da revista Trasgo. Também publico webnovelas (histórias publicadas online), dentre as quais posso citar a mais conhecida “A Ordem do Amanhã”, em que conto as desventuras de vários personagens com poderes que são tudo, menos heróis. Você pode ler a primeira temporada no site: http://tomorrowsorder.tumblr.com/ (lá você também encontra links para minhas outras webnovelas). Além disso, fiz...

Leia Mais