Murais de Mawé – Filhos do Guaraná
nov18

Murais de Mawé – Filhos do Guaraná

O projeto murais de Mawe e, neste mês de novembro finaliza com chave de ouro, e com isso a cidade de Maués ganhara 2 novos pontos turístico, dando as ruas do município cores e vida que relatam a cultura mística do fruto do guaraná e do povo que o domesticou, e o cultivou de forma religiosa e econômica. O projeto vem sendo desenvolvido pelo artista visual Erick Dammon, que por sua vez trouxe para o município a cultura urbana em forma de graffiti muralismo, que por sua vez já desenvolve a mais de duas décadas na capital do estado. Hoje morador de Maués fez valer o legado que carrega como artista urbano, e vendo que não existia tais murais que representassem tais culturas, propôs ao projeto de auxílio federal o projeto que hoje é denominado murais de Mawe, e com a parceria com a Ong ALIANÇA GUARANA DE MAUÉS, executa ao mesmo momento o projeto filhos do guaraná que carrega o mesmo conceito e embasamento relacionado ao fruto e ao povo originário FILHOS DO GUARANA (SATERE-MAWE), e ribeirinhos produtores do produtos originados a partir do fruto relacionado ao projeto. Tivemos uma grande repercussão na produção do primeiro mural, e com a execução dos dois outros dois que serão pintados, pretendemos alcançar muito mais o público, pois será de grande importância educacional e turística para a cidade. Agradecemos a Deus pela oportunidade e todos os órgãos envolvidos em tais realizações artísticas sócio educacional e cultural, pois a ajuda veio em uma boa hora em podemos concretizar projetos e sonhos. Nesse próximo capitulo teremos a participação de 2 artistas convidados, MEGA ARTES E TÉO ONDA, ambos muralistas de nome no contexto arte urbana do AMAZONAS, e assim vamos fortalecer um ao outro nesses grandes painéis de muitas cores, trações e histórias e serem...

Leia Mais
Pajelança Cabocla: documentário sobre medicina tradicional tem estreia em novembro
nov01

Pajelança Cabocla: documentário sobre medicina tradicional tem estreia em novembro

O documentário Pajelança Cabocla refere-se ao conjunto de saberes populares da Amazônia que são passados de geração em geração e abordará parte dessa Pajelança, agricultores locais das comunidades que utilizam da medicina tradicional como remédios alternativos.“Por motivos pandêmicos (COVID-19) não foi possível ouvir os anciãos da comunidade, mas, depoimentos de agricultores locais que utilizam de plantas amazônicas como remédios alternativos enriqueceram da mesma forma na construção cultural amazonense”, comenta a produtora Isabelly Maria. A ideia do curta-metragem veio do contato dos idealizadores do roteiro, Dr. Ronaldo Silva e Vanessa Cidrônio, com comunidades tradicionais durante pesquisas etnobotânicas, onde foi observado a forte ligação desses povos com as tradições indígenas/caboclas de cura e prevenção de doenças em contraponto com a Medicina Tradicional Chinesa. A produção é realizada pela estreante Picote Produções que trás um olhar lento e contemplativo, sob direção e fotografia de André Cunha, montagem e som Lucas Carvalho. O filme tem data de estreia no dia 05 de novembro sendo exibido de maneira remota pelo canal da produtora. Pajelança Cabocla é um projeto contemplado pelo edital Cultura Criativa / Lei Aldir Blanc – Prêmio Encontro das Artes,2020. Ficha Técnica Direção e Fotografia – André Cunha Montagem e som – Lucas Carvalho Produção – Isabelly Maria Pesquisa – Vanessa Cidrônio Roteiro – Dr Ronaldo Silva Arqueóloga – Suzanne...

Leia Mais
Picote Produções lança  revista Canoas na Zona Rural de Presidente Figueiredo-AM
out25

Picote Produções lança revista Canoas na Zona Rural de Presidente Figueiredo-AM

A primeira edição da Revista Canoas tem um teor educativo e cultural, voltado a comunidade Rio Canoas em Presidente Figueiredo (AM), para o público infantil trazendo um olhar simples e educativo, exaltando a rica história dessa terra amazônica. Produzida pela Picote Produções, o conteúdo da revista traz o piloto da historinha Maru: Uma Aventura no Urubui, escrito por André Cunha e ilustrado por Frank Kitzinger, onde um garoto chamado Maru junto a animais Dona Onça e Galo-da-Serra, personalidades ícones da cidade, revivem o passado desse lugar em uma viagem de canoa até a Comunidade Rio Canoas. A Revista Canoas também apresenta atividades lúdicas envolvendo o universo do gibi, como jogo dos erros, jogo da memória e mais. Chegando à comunidade Rio Canoas no último dia 20 de outubro para os alunos do ensino fundamental do 1º ao 4º ano da Escola Municipal Santa Terezinha, Km 139 Vila Do Canoas – Zona Rural, Presidente Figueiredo – Amazonas. As arqueólogas Isabelly Maria e Suzanne Fernandes são as idealizadoras do projeto. De acordo com Isabelly, o objetivo da Revista é sensibilizar a sociedade para questões de aspecto cultural e arqueológico por meio de uma narrativa lúdica. “Tivemos um cuidado especial com o roteiro da revista para que ela tivesse uma linguagem de fácil compreensão, pois o conteúdo foi feito para as crianças. A preservação da memória local de Presidente Figueiredo é importante demais para ser esquecida, e a Canoas resgata memórias antigas e pré-históricas para a realidade local e atual dessas crianças”, acrescenta. Sobre a Picote Produções Formada há três anos, a Picote Produções é uma produtora de comunicação com foco em produções em audiovisual, empreendedorismo e conteúdo digital. A empresa é composta por uma equipe peculiar e multidisciplinar de três pessoas: André Cunha (Jornalista), Isabelly Maria (Arqueóloga) e Lucas Carvalho (Eng. de Materiais). Revista Canoas – FICHA TÉCNICA Coordenação: Picote Produções Idealização: Isabelly Maria Vieira Gomes Produção Executiva: Lucas Carvalho Cruz Pesquisa: Vanessa Cidrônio de Paula Oliveira Arqueologia: Suzanne Lima Fernandes Design: André Vella Andrade Roteiro: André Cunha Ilustração: Frank Kitzinger Este projeto foi um dos contemplados pela Lei Aldir Blanc 2020 por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do...

Leia Mais
O Lixo Transformado Em Arte celebra 18 anos do grupo Curumim na Lata
set29

O Lixo Transformado Em Arte celebra 18 anos do grupo Curumim na Lata

O curta-documentário O Lixo Transformado em Arte. O Lixo Transformado em Arte é um curta-documentário de 15 minutos sobre o grupo de percussão alternativa Curumim na Lata, que celebra 18 anos de existência transformando e educando pais e alunos no Centro de Artes e Educação (CMAE) Anibal Beça, zona Leste de Manaus, com ensino pautado em música e meio ambiente. Grupo de Percussão alternativa Curumim na Lata. No curta somos inseridos no bairro de São José Operário em uma aula de estudo sonoro do professor e idealizador Rámon Carlos Torres Valdez, venezuelano, que conta os anos de história do grupo e o processo de transformação, não só aplicada a reutilização de materiais descartados como instrumentos alternativos, mas, das crianças, jovens e famílias que frequentam o centro de artes do bairro para boas práticas de cidadania. Este material inédito será exibido no Espaço ECAM, Manauara Shopping – Av. Mario Ypiranga, 1300 – no dia 08/10 às 10h30, data que será realizada a exposição “Curumim na Lata: 18 anos de história, música e sustentabilidade” uma realização do CMAE Anibal Beça e Oca do Conhecimento Ambiental (SEMED). O curta foi contemplado pela Lei Aldir Blanc 2020 por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Amazonas. Ficha Técnica: Produção: Picote Produções Direção e fotografia: André Cunha Roteiro: André Cunha e Isabelly Maria Montagem e edição: André Cunha Captação e desenho de som: Lucas...

Leia Mais
‘A Escola Vai ao Teatro’ apresenta workshops
set01

‘A Escola Vai ao Teatro’ apresenta workshops

Serão ensinadas técnicas de Contação de Histórias, a História do Teatro e Criação de Personagens. “A Escola Vai ao Teatro 2021” A programação do projeto “A Escola Vai ao Teatro 2021” já está acontecendo no palco do Teatro Manauara proporcionando o contato com a arte do teatro, de forma gratuita. E esta 5ª edição apresenta mais uma novidade: Workshops sobre Teatro, abordando técnicas de Contação de Histórias, A origem e influência do teatro e Criação de Personagens, durante os dias 28 de agosto e 02, 04, 10 e 11 de setembro, no Teatro, localizado no Piso Buriti, do Manauara Shopping. As inscrições já estão sendo realizadas, gratuitamente, para professores, estudantes universitários e público ligado às artes cênicas, por meio do e-mail: projetoescola@teatromanauara.com.br ou pelo fone: (92) – 3342 8032, com vagas limitadas. O projeto tem apoio do Ministério da Cidadania, por meio da Secretaria Especial da Cultura, com patrocínio cultural da Bemol e InfoStore. WORKSHOPS TEATRAIS As palestras apresentarão “Técnicas de Contação de Histórias” – como ferramenta pedagógica e formação de plateia, a partir da aproximação dos alunos com a arte. Outro tema a ser abordado será “Da Grécia para o Mundo” – A origem e influência do teatro na história da sociedade ocidental ainda sobre “Criação de Personagem a partir do método Stanislaviski” – voltado para atores iniciantes e apaixonados pelas Artes Cênicas, através do estudo do primeiro livro da trilogia do sistema Stanislaviski “A Preparação do Ator”. O facilitador dos workshops será Roger Barbosa, técnico em Artes cênicas, formado como instrutor pelo SEBRAE AM, ator e professor de teatro com 27 anos de experiência e diretor da Interarte Escola, Produtora e Cia de Teatro;CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DOS WORKSHOPS: · Dias 28/08 e 04/09 – de 9h às 11h – Técnicas para Contação de Histórias; · Dias 02 e 04/09 – de 19h30 às 21h – Criação de Personagem, a partir de Stanislaviski; · Dias 10 e 11/09 – de 19h30 às 21h – História do Teatro – Da Grécia para o Mundo. O projeto A Escola Vai ao Teatro A 5ª edição do projeto “A Escola Vai ao Teatro” já começou e terá mais apresentações gratuitas, durante os dias 30 e 31 de agosto e 1º de setembro, em sessões às 9h e 15h, no palco do teatro, localizado no Piso Buriti, do Manauara Shopping, para escolas da rede pública de ensino que realizaram agendamentos gratuitos, previamente. O projeto proporciona apresentações teatrais, com temáticas socioambientais e realização de workshops para público de interesse em artes cênicas, de forma gratuita.Durante as apresentações estão sendo seguidas as regras sanitárias preventivas do momento, visando a segurança e saúde dos participantes....

Leia Mais
Manart lança estampa inspirada na obra de Rakel Caminha
ago13

Manart lança estampa inspirada na obra de Rakel Caminha

Manaus- Nesta sexta (13), a partir das 18h30 (horário de Manaus) através do site www.manartgaleria.com e redes sociais, ocorre o lançamento da mais nova estampa da Manart Galeria “ARTETEATRO”, inspirada na obra “Alterego da Amazônia- ArteTeatro” (2021) da artista visual Rakel Caminha, que faz referência, de uma forma pop, através de recortes e colagens, ao principal símbolo Cultural e Arquitetônico do Estado, o Teatro Amazonas, fundado em 1896, que preserva parte da arquitetura e decoração original, com estilo renascentista e eclético, tombado em 1966, como Patrimônio Histórico Nacional. Vida e Obra da Artista A Artista visual Rakel Caminha Autodidata e apaixonada pelas artes, desde a infância, além de publicitária por formação acadêmica, com passagem pelos cursos de direito e design (UFAM), a artista visual Rakel Caminha é uma das mais promissoras apostas do cenário das artes visuais local. Expressões altruísticas da artista visual Rakel Caminha Para Rakel, “Arte é expressão, é fazer com as mãos – ou com o corpo inteiro – e coração. Por isso, desde sempre, antes mesmo de que eu pudesse raciocinar sobre tal fato, eu gosto de me expressar: através da dança, do desenho, da escrita ou de qualquer outra coisa. Às vezes o processo é orgânico e intuitivo, às vezes é milimetricamente pensado. Mas quando ali está eu percebo que é uma parte de mim para o mundo, é uma forma de passar por ele, marcando-o da mesma forma que ele me marca.“ Em seus trabalhos, a artista costuma combinar linguagens diversas (não só artísticas) com muita liberdade e produz obras de grande expressividade, que de modo geral, unem pintura, colagem e técnicas gráficas, e promovem um diálogo poético entre o real e o surreal através de uma estética semiótica dedicada à arte, ao caos, aos sonhos e ao existencialismo, cujas principais referências estão mais voltadas para a arte contemporânea como cubismo, expressionismo e surrealismo. “Meus temas no geral são surreais, existenciais, brincam com a realidade. Esses últimos tempos, eu senti necessidade de falar mais sobre a natureza, ecologia e me dediquei a isso como uma forma de fazer a diferença para o mundo; já que estamos num ritmo que o planeta não aguenta. Se a arte toca e sensibiliza, ela também pode fazer refletir, impactar, mudar, florescer. “ Declara, Rakel. Uma artista de múltiplas fases Rakel Caminha, a camaleônica, a metamorfose múltipla da artista visual “Eu sou muito sensível. Um camaleão! Sou de Metamorfoses. De fases. Uma estudante da vida – e também apreciadora. Sou de fato muitas; muitas coisas, sentimentos, pensamentos – que se misturam. Sou quase tudo coração. Um pouco de razão. Busco me expressar para me entender melhor por dentro,...

Leia Mais