Torra inaugura nova loja no Shopping Manaus ViaNorte
jul16

Torra inaugura nova loja no Shopping Manaus ViaNorte

Nesta sexta-feira, dia 16, a partir das 10h, o Shopping Manaus ViaNorte vai inaugurar uma unidade da loja Torra, a primeira fora do centro de Manaus, oferecendo produtos de moda, casa e decoração, calçados e acessórios, com valores acessíveis. Será a 70ª loja da rede, que está presente em 12 estados brasileiros. A marca tem presença sólida no mercado varejista, proporcionando aos clientes bons produtos e diversidade com peças para o público feminino, masculino e infantil. Loja Torra A unidade do Manaus ViaNorte ficará localizada no piso L1, logo na entrada do shopping. As vagas de emprego para a loja já foram preenchidas, mas os interessados podem cadastrar currículo no site da empresa (www.lojastorra.com.br). A gerente de marketing do Manaus ViaNorte, Natalia Zerbini, afirma que a abertura da loja Torra agrega muito para o shopping e beneficia os clientes. “Essa é uma loja completa, com variedade de produtos, dividida em mais de 2mil m². A inauguração traz uma nova opção de compras para os moradores da Zona Norte que, até então, só eram encontradas no centro da cidade”, disse. Loja Torra com peças para o público feminino masculino e infantil De acordo com a assessoria da loja Torra, as expectativas são boas para a nova unidade e há projetos para mais lojas na cidade. “É muito interessante ter também operações fora do centro da cidade, possibilitando atender um maior número de clientes. A loja vai oferecer a mesma gama de produtos já conhecidos, com a mesma qualidade e bons preços. Essa será nossa segunda loja na cidade e já temos planos em andamento para iniciar uma terceira operação em Manaus”, afirmou a...

Leia Mais
Inscrições prorrogadas para a “Prova da Farinha Ribeirinha”
jul14

Inscrições prorrogadas para a “Prova da Farinha Ribeirinha”

A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) prorrogou até o dia 30 de julho o prazo para inscrição na “Prova da Farinha Ribeirinha”, competição gastronômica e digital que vai escolher o melhor e mais criativo prato feito com farinha da Amazônia. A disputa vai premiar com R$1,5 mil o primeiro colocado, R$1 mil para o segundo e R$500 para o terceiro. A Prova da Farinha é uma iniciativa da FAS, realizada em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e a Associação dos Moradores e Usuários da Reserva Mamirauá Antônio Martins (AMURMAM) para incentivar a produção da farinha da Amazônia, do tipo ovinha e mais conhecida como farinha do Uarini, apoiando produtores e agregando valor ao produto. A competição acontecerá totalmente online, permitindo a participação de pessoas de todo o país ou até de fora do Brasil. É dividida em três fases, a prova começa com as inscrições, até 30 de julho, quando a pessoa inscreve sua receita utilizando a farinha no site da FAS. Na próxima etapa, entre 1º e 16 de agosto, dez chefs de cozinha conhecidos por produzirem pratos com a farinha vão selecionar as dez melhores e mais criativas receitas. Na terceira fase, os selecionados devem gravar um vídeo preparando seu prato com farinha. O material será divulgado no site e redes sociais da FAS, onde, através de voto popular, serão escolhidos os vencedores. Para o Gerente de Empreendedorismo e Negócios Sustentáveis da FAS, Wildney Mourão, a iniciativa é uma oportunidade importante de gerar reconhecimento nacional ao produto amazônico tão especial. “Com a competição queremos incentivar o uso da farinha e que seja cada vez mais conhecida no Brasil. Queremos proporcionar um maior reconhecimento para um produto tão tradicional e especial em nossa região”, afirma. Wildney segue explicando sobre a importância da farinha para as comunidades ribeirinhas, que vai além da culinária. “A produção da farinha segue toda uma lógica produtiva alinhado às boas práticas sustentáveis, reforçando o envolvimento social no processo e contendo um diferencial comprovado para qualificar a oferta junto ao mercado. Além disso, segue os conceitos de valorização de produtos tradicionais da Amazônia, como cultivo e origem florestal, respeito ao meio ambiente, às populações tradicionais e seus territórios, comprovados por meio do selo ‘Origens Brasil’, que a Farinha Ribeirinha possui”, disse. Os chefs e jurados da competição são: o proprietário da Cachaçaria do Dedé e do restaurante Terra & Mar, Dedé Parente; Felipe Schaedler (do Restaurante Banzeiro SP/MAO, Moquem e Caboquinho), Thiago Santana (do Ferrugem Rock Gourmet), Debora Shornik (dos restaurantes Caxiri e Biatuwi Casa de Quinhapira), Elisângela Valle (do Tambaqui de Banda), Paulo Fortunato (do Fish Maria), Marcus Pompeu (Casa de Comidas Zuzu),...

Leia Mais
Cartão alimentação para mais de 7,4 mil moradores de Unidades de Conservação do Amazonas
jul13

Cartão alimentação para mais de 7,4 mil moradores de Unidades de Conservação do Amazonas

Mais de 7,4 mil cartões de alimentação no valor de R$300 serão entregues para famílias em situação de vulnerabilidade, que vivem em Unidades de Conservação (UCs) no Amazonas. A iniciativa é resultado de uma parceria entre a Fundação Amazônia Sustentável (FAS) e a Organização Não Governamental (ONG) “Gerando Falcões”, por meio da campanha “Corona no Paredão, Fome Não”, proporcionando auxílio financeiro nesse período de pandemia do coronavírus. A distribuição das chamadas cestas básicas digitais já começou em bairros periféricos de Manaus, em junho, beneficiando mais de 1,2 mil pessoas, e agora segue em 13 Unidades de Conservação, situadas em comunidades das Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, Canumã, Juma, Rio Madeira, Rio Amapá, Cujubim, Amanã, Mamirauá, Rio Negro e Puranga Conquista, além da Reserva Extrativista (RESEX) Catuá-Ipixuna, da Área de Proteção Ambiental (APA) do Rio Negro e da Floresta Estadual de Maués. O cartão é como um vale-alimentação e pode ser usado em supermercados credenciados na região. O valor total do auxílio é de R$300, sendo dividido em duas parcelas, uma que já está disponível para ser utilizada e outra que será liberada 30 dias após a entrega. Com o cartão em mãos, as pessoas podem comprar itens de alimentação, higiene e limpeza, sendo restrita a compra de bebidas alcoólicas e cigarro. A distribuição será feita por colaboradores da FAS, que vão auxiliar os moradores com dúvidas sobre a utilização do cartão. A Superintendente de Desenvolvimento da FAS, Valcléia Solidade, afirma que a parceria com a ONG Gerando Falcões vai gerar grandes benefícios neste período de pandemia. ”Agora, além da pandemia, tem as cheias do Rio Negro, que também afetaram muitas famílias. Então, essa é uma ajuda essencial, porque garante a segurança alimentar por pelo menos dois meses e é um alívio para quem recebe. Estamos passando por um momento onde muitas doações diminuíram por diversas razões e poder dar essa ajuda financeira a tantas famílias é muito importante”, disse. Gerando Falcões Parceiro ONG Gerando Falcões O Gerando Falcões é uma organização social que atua dentro de estratégia de rede, em periferias e favelas de todo o país. As ações são voltadas ao desenvolvimento de projetos na área dos esportes e da cultura, principalmente para crianças e adolescentes, além de qualificação profissional para jovens e adultos, sendo uma iniciativa de geração de renda para famílias, inclusive egressos do sistema penitenciário. Para se tornar um parceiro e contribuir com a construção de uma sociedade mais justa, acesse:...

Leia Mais
“Arapaima”, de Bruno Kelly está disponível para download
Maio24

“Arapaima”, de Bruno Kelly está disponível para download

O fotógrafo Bruno Kelly apresenta, o livro “Arapaima”, que traz, em formato on-line, um ensaio visual e emocional sobre uma das mais bem-sucedidas iniciativas de manejo comunitário e desenvolvimento sustentável na Amazônia: o manejo do pirarucu. O projeto foi contemplado no edital Prêmio Feliciano Lana, que faz parte das ações emergenciais da Lei nº 14.017/2020, conhecida como Lei Aldir Blanc, operacionalizada no Estado através do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, com apoio do Governo Federal, Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura e Fundo Nacional de Cultura. Clique aqui para baixar o livro. Segundo Bruno Kelly, a publicação para download vai ficar disponível no site livroarapaima.com.br enquanto os livros físicos vão ser distribuídos, de forma gratuita, para bibliotecas públicas da capital e do interior, universidades, espaços públicos de visitação turística e às comunidades ribeirinhas que foram documentadas, no rio Juruá e na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, no Amazonas. Ele destaca que a obra retrata o cotidiano do manejo e como os ribeirinhos, com união e gestão comunitária, conseguiram transformar uma prática cultural tradicional como a pesca do pirarucu, antes realizada de forma isolada e predatória, em uma atividade sustentável. “A proposta é que as pessoas tenham conhecimento sobre esse projeto, que é possível fazer da Amazônia, dentro do que ela pode dar e sem ser destruída, um retorno para quem mora nas comunidades ribeirinhas. É importante dar essa visibilidade, para que eles possam se ver naquilo que fazem e entender a importância do trabalho, porque eles são os verdadeiros guardiões da floresta, os povos tradicionais, seja o ribeirinho, o indígena ou o quilombola”, afirma o fotógrafo. “Vamos mandar exemplares para as escolas municipais das comunidades polos e para associações de pescadores, para eles usarem como apresentação para entidades interessadas em financiar novas iniciativas para eles”. Bruno Kelly conta que a narrativa do livro de 80 páginas foi construída em parceria com o editor Henry Milleo, um dos idealizadores da Editora Artisan Raw Books junto com Márcio Pimenta, numa curadoria entre mais de 10 mil fotos e com a escritora Monica Prestes, que relatou a experiência dela e trouxe a perspectiva dos pescadores. “Usamos as falas dos próprios pescadores, para mostrar o que é a pesca para eles, o que representa a floresta e o ambiente que eles vivem. São narrativas muito importantes como exemplo sobre as comunidades tradicionais da Amazônia”, comenta o autor. “O site fica no ar por mais de dois anos e vai ajudar o projeto a chegar a mais pessoas dentro e fora do País. Pensamos também na continuidade da documentação e, quem sabe, mais para...

Leia Mais
Alaídenegão lança show nas plataformas digitais para celebrar 13 anos de carreira
Maio19

Alaídenegão lança show nas plataformas digitais para celebrar 13 anos de carreira

O show de 13 anos de carreira da Alaídenegão, gravado no Centro Cultural dos Povos da Amazônia, entra na programação no dia 30 de maio, quando a banda amazonense lança novo produto nas plataformas de streaming, numa parceria com a ONErpm, ferramenta voltada para a distribuição digital de músicas. A apresentação vai ficar disponível no canal da Cauxi Produções no Youtube enquanto o acesso ao áudio pode ser pelo Spotify, Tidal, Apple Music e Deezer. O projeto comemorativo foi contemplado no Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), por meio da Lei nº 14.017/2020, conhecida como Lei Aldir Blanc. Segundo o guitarrista Rafael Ângelo, o show “Alaídenegão 13 Anos” tem, no roteiro, composições do grupo desde o início, em 2008, até o último CD, lançado em fevereiro deste ano, com o título “Cantos da Beira”. Ele destaca que a apresentação traz a participação de convidados, como Márcia Novo, Marcelo Nakamura, Clóvis Rodrigues, da Tucumanus; Milton, da Cabocrioulo; e Neuber Uchôa, de Roraima. “Sempre foi um desejo da banda fazer o registro de um show ao vivo e colocar esse novo produto artístico no mercado representa contar boa parte de uma trajetória que materializou nossas criações, crenças e a vontade de trabalhar com a cultura, pois sabemos de seu valor em um país tão desigual”, afirma o músico. Rafael Ângelo explica que a escolha pelo Centro Cultural dos Povos da Amazônia como palco do show se deve a proposta da banda que tem a pesquisa musical como uma das principais características. “O espaço é muito significativo na realização deste projeto, porque somos parte dos povos que compõem o mosaico cultural da Amazônia. Outro ponto é que, assim como ocorre com as populações originárias, nosso trabalho tem o caráter e a assinatura do coletivo, ou seja, a diversidade de ideias e concepções sobre a música e o mundo”, comenta o artista. Público – O vocalista e guitarrista Davi Escobar conta que o show, gravado em 3 de dezembro de 2020, teve a participação do público, em número reduzido por conta da pandemia, no Espaço Rio Amazonas, onde fica a exposição “Os Filhos da Nossa Terra” sob uma cúpula confeccionada em fibra de arumã e com estátuas assinadas pelo artista plástico Felipe Lettersten, numa homenagem a povos distintos do continente americano. Conforme o cantor, a gravação cumpriu todos os protocolos de segurança em prevenção a Covid-19, como distanciamento social, uso obrigatório de máscaras e totens de álcool em gel em pontos estratégicos. “Foi o nosso único show com público desde o início da pandemia e entendemos que temos a responsabilidade de não estimular aglomerações....

Leia Mais