Bloco da Tombação 2019
mar28

Bloco da Tombação 2019

Idealizado e produzido pela DJ e produtora amazonense Naty Veiga, a Miga, Sua Lôca Festival de Cultura e Diversidade, apresenta o Bloco da Tomação 2019. O evento, que tem acesso gratuito, acontece nos dias 30 e 31 de março na Casa das Artes, no Largo de São Sebastião e propõe música, debates e outras interferências. A ideia do evento, totalmente protagonizado por mulheres é ainda engrossar o mês de lembrança de luta das mulheres. Só sábado, 30, a programação inicia  às 15h, com o set da DJ Naty Veiga, especialmente preparado para o evento, destacando uma música feminista, feitas por mulheres do cenário musical brasileiro. E de 17h às 19h acontecem as rodas de conversas com os temas, ‘Feminicídio e Violência contra a mulher: o papel da rede de proteção’, mediada por Marklize Santos e Erika Carmo; ‘Saúde da Mulher - Violência Obstétrica Manaus’, mediado pelo Humaniza Coletivo Feminista; ‘Saúde Mental da Mulher Negra Lésbica’, mediada por Dandara Lorena, do grupo Encrespa Geral - Manaus; e ‘Saúde Mental da Mulher Negra Bissexual’, mediada por Raescla Ribeiro, da Coletiva Banzeiro Feminista’. A DJ Naty Veiga também fecha o sábado com seu set feminista. Já no domingo, a música das mulheres dá o tom do evento, com a participação da cantora Elisa Maia, que apresenta seu novo set voz&notebook, propondo uma experiência mais intensa e íntima com músicas que farão parte de seu próximo álbum; a MC Anna Suav, que apesar de amazonense, atua no cenário musical paraense, onde reside atualmente; a cantora Karen Francis, jovem revelação da música amazonense, que interpretará as músicas de seu EP Acontecer; e a cantora Bel Martine, forte atuante do cenário noturno da música amazonense. Ainda acontecem os sets da DJ Naty Veiga, dessa vez tocando repertório de AfroHouse e Black Music  e a DJ Carolina Blois, tocando Brasilidades, em seu set exclusivo de vinil. No evento também estará a A Uni Manas, que é um projeto que tem como principal objetivo arrecadar absorventes descartáveis para detentas, visto que muitas vezes o Estado não fornece o suficiente. O Bloco da Tombação receberá doações de absorventes nos dois dias. O Bloco da Tomação 2019 é uma realização da Miga, Sua Lôca Festival de Cultura e Diversidade, com apoio de Humaniza Coletivo Feminista, Encrespa Manaus, Coletiva Banzeiro Feminista, Coletivo Difusão, Secretaria de Cultura do Amazonas - SEC-AM, 8M Manaus e Una LGBT Amazonas. PROGRAMAÇÃO RODAS DE CONVERSA - 30 DE MARÇO ( Sábado ) – 15h Abertura e encerramento: Dj Naty Veiga ( Música feminista ) Feminicídio e Violência contra a mulher: o papel da rede de proteção - Marklize Santos e Erika Carmo - 8M -...

Leia Mais
7º Sarau das Manas é neste sábado (30)
mar28

7º Sarau das Manas é neste sábado (30)

O 7º SARAU DAS MANAS fecha o mês de lembrança de luta das mulheres nesse sábado, dia 30, com um dia inteiro de MUTIRÃO DE CUIDADOS DA MULHER, no Instituto de Cidadania e Desenvolvimento Social do Amazonas - ICDSAM. Pela manhã e parte da tarde acontecem atendimento médico e serão oferecidos ainda serviços de massagem, manicure e pedicure, maquiagem, design de sobrancelhas, tatuagem e bodypiercing*. Na parte da tarde, estão previstas apresentações musicais, com as artistas Elisa Maia, Anna Suave, Lary Go & Strela e o grupo Maya, além do microfone que ficará aberto para que as mulheres possam se manifestar, seja lendo poesia, rimando, deixando sua mensagem.  O Sarau das Manas é uma realização da banca Todas São Manas - idealizado a partir do Festival Todas São Manas, pela grafiteira e artista visual Deborah Erê, o grupo é formado por artistas mulheres da cultura hip hop de Manaus/AM, que atuam nas mais diversas linguagens (grafiteiras, MCs, DJs, produtoras, bgirls) com o objetivo de gerar autoestima, visibilidade e desenvolver ações que visam autonomia financeira. E em sua sétima edição, o Sarau das Manas também acontece em parceria com a  Coletiva Branzeiro Feminista, que desde 2012 realiza diversas ações dentro de atuações interseccionais que combatem o machismo, o sexismo, o racismo e a lgbtfobia e toda e qualquer forma de opressão. A Coletiva captanea pela manhã também a roda de conversas ‘Autoestima que liberta’, mediada pela ativista Aline Maionese.  O Sarau das Manas, que já ocupou galeria de artes, praça pública e outros espaços, dessa vez aporta no Instituto de Cidadania e Desenvolvimento Social do Amazonas - ICDSAM, que é uma Organização Não Governamental, sem fins lucrativos, criada na cidade de Manaus, no bairro de Educandos, a partir de iniciativas de um grupo de moradores preocupados com a situação da vulnerabilidade social no bairro e que tem como finalidade promover ações socioeducativas, esportivas e culturais de inclusão social, por meio de diversas parcerias. O Instituto atualmente ocupa o prédio de uma antiga delegacia abandonada, na Rua Macurany, no bairro de Educandos e abriga cerca de cinco família desabrigadas por conta do grande incêndio que aconteceu no bairro no final do ano passado. O evento ainda conta com apoio do Coletivo Difusão e Angel e...

Leia Mais
Bloco na Rua – Ocupações Artísticas
mar31

Bloco na Rua – Ocupações Artísticas

Bloco na Rua #2018 • ocupações artísticas | 31 SAB | 16h20 a 00h | Rua José Clemente, Centro. LIVRE ACESSO 16h20 | Maracatu Pedra Encantada 17h as 18h | Gramophone 18h as 18h20 | DJ Set Madruga Musicas do Mundo | Fabio Madruga Madruga 18h20 as 19h20 | O tronxo 19h20 as 19h40 | DJ Set Madruga Musicas do Mundo | Video-doc Fanzines 19h40 as 20h40 | Pororoca Atômica 20h40 as 21h | DJ Set Madruga Musicas do Mundo | Literatura Marginal 21h | Jam rock (RR) 22h as 22h20| DJ Set Madruga Musicas do Mundo | Performance 22h20 | Casa de Caba Cenário de Palco: Diego Batista Gama e Keila Serruya Video Instalação | Palco | gif DEUS EM PROCESSO Fotos exposição | Palco | fotos MIL MORTOS | Matheus Belem | Farias Video Mapping| paredão | Marcelo Rosa Lambe-lambe | paredão | Damaiia Performance: Uýra Sodoma (Emerson Munduruku) Apresentação : Maria Moraes e Emerson Munduruku Literatura Marginal | Palco | Rojefferson Moraes Exibição Video-doc Fanzines | Jefferson Pinho Espaço Gastronômico | Espaço Infantil | Rua | Realizaçãode : Casa de Caba, Chá de Papoulas e PIRÃO AM. Evento realizado com Apoio da Secretaria Cultura do Amazonas e Viva...

Leia Mais
Mulheres vão às ruas no 8 de Março em Manaus
mar08

Mulheres vão às ruas no 8 de Março em Manaus

Pela igualdade de gênero e contra a violência, mulheres indígenas, brancas, pretas, cisgênero, lésbicas, transexuais e transgênero irão às ruas neste 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, em defesa dos direitos trabalhistas, à saúde, à segurança e a luta contra as privatizações e retirada dos direitos da previdência, em Manaus. O ato Paralisação Internacional das Mulheres. Perda de Direitos? Eu não aceito! começa às 15 horas com a concentração na Praça da Saudade, no centro da cidade. A partir das 16h, as manifestantes caminham em marcha até o Largo São Sebastião, onde haverá a partir das 18h o show Ouvindo nossas vozes! com as apresentações de grupos de danças: Circular do Espaço Feminista Uri Hi, Maracatu Baque Mulher Manaus, Mara Pacheco, Cia de Dança Uatê e Kirar (Dança conosco); de música com Kamylla Vitória, Catarina; performance da atriz Maria Moraes; poesia com Mulheres In Rima feat Rebeca, Carol Calderaro e Roselayne Castro; além do show de Melany Marinho. O ato Paralisação Internacional das Mulheres. Perda de Direitos? Eu não aceito! é organizado por movimentos sociais, fóruns, ativistas, organizações sindicais e coletivos feministas do Amazonas. Foi de movimentos assim que as mulheres conquistaram no Brasil o direito ao voto em 1934. Com o período da Ditadura Militar, de 1964 a 1985, as mulheres começaram a se organizar em grupos de discussão sobre a questão da mulher. Em 1978, aconteceu o primeiro Congresso da Mulher Metalúrgica, em São Paulo. Elas intensificam a luta por creches, direitos trabalhistas, salários iguais ao dos homens, serviços de atendimento (educação, saúde e vítimas de violência) e pela divisão do trabalho doméstico. Em 1985, surge a primeira Delegacia da Mulher em São Paulo. Já no Amazonas, a delegacia foi inaugurada em 1987. Só em 2006 é que o governo federal sancionada a Lei Maria da Penha (Lei 11. 340) para combater à violência doméstica contra a mulher no Brasil. A norma estabeleceu que a violência doméstica –física, psicológica, sexual, patrimonial ou moral– é crime.  Clique aqui e confirme presença no evento! Em coletiva realizada nesta terça-feira (6) com as coordenadoras da manifestação na Galeria do Largo, em Manaus, Luzarina Varela da Silva, ex-metalúrgica e uma das fundadoras do Fórum Permanente das Mulheres de Manaus, contou como participou do primeiro ato em que as mulheres da capital amazonense foram às ruas para reivindicar os direitos e lutar contra a violência, em 1985. “Aqui no Amazonas temos alguns marcos históricos, na categoria dos metalúrgicos, da construção civil, conseguimos conquistar a estabilidade da gestante, que hoje para quem não sabe, não é nada, não é muita coisa, mas na época, na década de 70 e 80, principalmente as operárias do comércio e da indústria, elas entravam na fábrica e quando engravidavam,...

Leia Mais
Tá Boa Bonita! Bloco Cultura LGBT+
fev22

Tá Boa Bonita! Bloco Cultura LGBT+

Tá Boa Bonita é o nome do bloco Cultura LGBT que será no dia 03 de março, a partir das 14h em frente ao Les Artistes Café-Teatro, localizado na avenida Sete de Setembro, Centro. O evento tem a entrada gratuita e vai até 23h. A programação conta com apresentação de Maria Moraes e Emerson Munduruku com performance artistica. Shows da cantora Elisa Maia e banda, Rodrigo Baroque e banda. Dupla de MC's revelação manauara Lary Go & Strela.  Continua lendo e confira todo mundo que está na realização do evento! DJS Luana Aleixo Ademar Marinho MERM.ADE Marcelo Nobre Rhanna Evans Alana Zuany PERFORMANCE AUDIOVISUAL Projeto Aram VÍDEO INSTALAÇÃO AQUI - Keila Serruya EXPOSIÇÃO Paulo Mendes MAPPING Rodrigo Duarte PERFORMANCE Efêmera - Fran Martins RODAS DE CONVERSA - Vida de Transexuais Importa - ASSOTRAM - LGBTFOBIA - Marília Freire - Direitos Humanos - Tiana Amiles - Saúde Lésbica - Assistente Social Keth Prestes - Políticas Públicas LGBT+ - Gabriel Mota - Conselheiro Municipal da Juventude LGBT e gerente Manifesta LGBT+ - Processos Criativos para Emancipação Feminina - Michelle Andrews - Coletivo Difusão - Saúde Trans - John Elton Santos - Presidente Associação Amazonense de Saúde Mental e Psicólogo no Coletivo O Gênero - PEP e PrEP - Raphael Rodrigues - Responsável técnico pela PEP e PrEP - Coordenação Estadual de IST/AIDS/HV do Amazonas. APOIO Secretaria Cultura do Amazonas Tá Boa Bonita Bloco Cultura LGBT+ ASSOTRAM Penélope's Drive Coletivo Difusão Miga,Sua Lôca Festival Cultura LGBT CPA - Centro Popular do Audiovisual Naty Veiga Sonora Music Manifesta LGBT+ Vdr...

Leia Mais
Abrigo
fev09

Abrigo

Entramos no carro depois da festa e ela achou que o breve caminho até a minha casa era o divã que precisava pra me contar da sua vida. Ela tinha acabado de me conhecer, não trocamos mais que algumas palavras entre a música pop e funk que eu e a amada dela dançávamos entre cervejas. Eu tava acostumada com isso, com pessoas se abrindo pra mim, sendo que muitas vezes éramos completos estranhos um ao outro. E eu tentava ser o abrigo seguro onde elas podiam fazer isso. Eu sempre tentei ser o que os outros precisavam e não encontravam por aí. Sempre fui o que eu queria que fossem pra mim, esperando que algum dia alguém também o fizesse. E ela me narrou toda a trajetória, até aquela noite. Me contou dos sentimentos por aquela sentada no banco do passageiro ao seu lado e por quem veio antes dela. Eu entendia tudo. Meu silêncio era confortável como um abraço. Eu entendia tudo e pra piorar, estava na mesma situação. O sofrimento dela era o meu. E parecia atuação se reconhecer nas palavras do outro mas manter distância o suficiente pra não chorar no ombro e chamar pra mesa de bar. Eu mal consegui me esconder quando ela disse que "Não ser correspondido... Dói..." de um jeito que essas três letras tiveram a duração de dez. Com um pesar no tom que fez meu coração murchar dentro do peito. -É foda. -eu deixei escapar -É foda!" -ela repetiu quase como um aperto de mão Engoli as lágrimas que beiraram meus olhos. Questionei as divindades que me fizeram assim, com tanto pra dar, mas só querendo dar pra quem não tinha qualquer interesse em receber. Me despedi das duas e só um resto de mim se arrastou até em casa, se jogou na cama e se embalou em promessas piores que resoluções de ano novo, pior que a dieta que vai começar na segunda-feira. Eu não vou mais amar. Gotas de sal na minha boca. Minha alma se despedindo de mim na...

Leia Mais