mens-tru-ação
fev15

mens-tru-ação

eu tô morrendo de overdose de sentimento parece que tô menstruado de afeto e não tem OB que dê jeito e o Milton cantando na esquina da minha melancolia falando em pensamento da cor do vestido dela que já não quer mais morar comigo eu que tava gravido de sonho acordo sem ter dormido rumo ao castigo de só chorar no abrigo do...

Leia Mais
Tempestade
ago20

Tempestade

 Tempestade O primeiro trovão lancinante Bomba de efeito moral Ventania que molhou minha alegria Raios que cegam Paixões que azedam Amores que desprezam Sonhos que despertam Um nó cego Rajadas de calafrio Desejos de anil Vestido infantil Flores de outubro Inverno sóbrio Um cinza gosmento Frio e voraz Desses que desfaz Arranjos e orquídeas Machuca margaridas Cavalo doce e amável Xucro e indomável Coração galopante Alma penada Assobio no fim da tarde Corre nos pastos O ranço  frio De mais uma tempestade Eu que gozo de mocidade vou dormir e sonhar acordar ainda jovem sorrir em outro canto Sonhar com outras...

Leia Mais
Ser mãe jovem, numa sociedade ilusória
ago07

Ser mãe jovem, numa sociedade ilusória

A maternidade é um investimento onde apostamos todas as nossas fichas e só iremos saber dos resultados décadas mais tarde. Como mulher de vinte e três anos de idade que foi criada com mãe e avó, tive a oportunidade de ver os conflitos em pelo menos três gerações diferentes. É incrível quando conseguimos nos transportar pra uma outra dimensão e conseguimos analisar as coisas de fora. Vemos como a criação de uma criança não é algo tão simples, você não está educando uma eterna criança, você está moldando um adulto. Vi minha avó que apesar de bem pra frente do seu próprio tempo, foi mulher de se dedicar ao marido e o colocava num pedestal de marfim, sempre no topo e reluzente. Também vi minha mãe que divorciada tinha que trabalhar pra sustentar a casa e teve pouco tempo pra interagir com os filhos. E vejo a minha geração, uma geração que diz PERA LÁ eu não preciso ser submissa a casa, não preciso viver em função dos meus filhos, mas mesmo assim escolhi ficar. Uma geração de mães empreendedoras, que não aceita parar de amamentar o filho aos quatro meses de licença maternidade, que prefere botar a cara no mundo e abrir o próprio negócio. Uma geração que não toma a responsabilidade de criar os filhos pra si, que divide com o marido as despesas da casa. Uma geração mais unida, mais sincera, mais complacente, pois todas nós entramos no mesmo barco, e na fachada dele estava escrito “ o sonho da maternidade “. A geração que passou nos fez acreditar que só seríamos felizes e realizadas quando fossemos mães, mas não nos contou das dificuldades que a missão trazia. Nos fez acreditar que maternidade é um sonho em azul e rosa, e nos escondeu todas as dúvidas, as angustias, as indecisões... Nós mães jovens nos deparamos com o fim da gravidez, numa sociedade onde beleza é sinônimo de magreza e perfeição, e todas aquelas suas formas arredondadas de uma gravidez sadia já não eram mais tão belas assim. A sociedade nos exige sair da maternidade lipoaspiradas, maquiadas e escovadas. Mas ninguém nos disse que a verdade não é essa, ninguém nos disse que depois do parto sentimos um vazio tão grande que mal podemos nos conter, que o amor pelo filho não é instantâneo, que nos sentimos péssimas, nos sentimos feias, não nos reconhecemos diante do espelho. Eu tive muitos problemas quando aconteceu comigo, vi as pessoas se afastando, vi os olhares indiscretos, vi coisas que não queria ver de pessoas que não esperava. E todo dia eu bebia um gole desse veneno ao olhar pra mim...

Leia Mais
Sozinho ou acompanhado?
jun07

Sozinho ou acompanhado?

Sozinho nasci Acompanhado me alimentei Sozinho cresci Acompanhado amadureci Sozinho me perdi Acompanhado me encontrei Sozinho sonhei Acompanhado realizei Sozinho parti Acompanhado cheguei Sozinho rompi Acompanhado restaurei Sozinho me apaixonei Acompanhado aprendi a amar Sozinho fui Acompanhado sou Sozinho era apenas eu Acompanhado sinto que sou mais Nada contra ser sozinho Mas acredito que nascemos para...

Leia Mais
Sesc oferece dança, teatro e música em Manaus e Manacapuru
maio22

Sesc oferece dança, teatro e música em Manaus e Manacapuru

A agenda cultural Sesc Amazônia das Artes oferece diversas opções de lazer para Manaus e Manacapuru neste fim de semana. Na programação há espetáculos de teatro, dança e música gratuitos, além da exposição fotográfica ‘Meninice’, aberta desde o dia 07 de maio na Galeria Moacir Andrade, Sesc Centro, Rua Henrique Martins 427. Nesta sexta-feira (22) Manaus recebe o espetáculo de dança contemporânea ‘Yi Ocre’, a apresentação acontecerá no Espaço Cultural José Lindoso, Sesc Centro, às 18h30. A obra propõe uma performance cênica com pinturas corporais e movimentos expressivos, evidenciando a relação e comportamento das pessoas e o meio natural. Do Pará para Manacapuru, o musicista Félix Robatto fará show neste sábado (23). Uma apresentação pop com referência forte da música latina. O repertório é quase 100% autoral, com músicas como “Ilha do Marajá” e “Amazônia Big Rave”. Cúmbia, Carimbó, Guitarrada, Cadance Lypso e Surf Music são alguns dos gêneros musicais também presentes neste trabalho. O artista promete um show dançante com uma boa mostra da nova música paraense. A apresentação vai começar às 20h, no Parque Riachuelo, em Manacapuru. Neste domingo (24), também em Manacapuru, quem gosta de teatro vai poder conferir o espetáculo ‘A santa casa’, do grupo roraimense CriArt, a partir das 19h, no Sesc Ler Manacapuru. A Santa Casa apresenta uma estrutura dramática não linear, e trata da situação da mulher dos séculos XV e XIX. É atemporal e provoca um diálogo entre as atrizes e a plateia, traz a tona sentimentos como amores, angústias, desejos, medos e convicções. Encerrando o circuito de apresentações, na próxima segunda-feira (25/05) Manaus vai receber o espetáculo teatral ‘Lete’, do grupo rondoniense Beradera Cia de Teatro. A apresentação gratuita vai começar às 20h, no Teatro Oficina, localizado no Sesc Centro. Exposição Meninice Até o dia 29 de maio, na Galeria Moacir Andrade, o Sesc AM promove a exposição fotográfica “Meninice”. A entrada é gratuita e o horário para visitação é de 13:30h às 17:30h. As fotos foram realizadas ao longo de dois anos, durante visitas periódicas a povoados da zona rural de Alcântara, MA, onde acontecem atividades do “Projeto Nova Alcântara”, voltado para o desenvolvimento de ações que promovam a valorização do ser humano através da educação. A exposição “Meninice” foi elaborada tendo como público-alvo, não apenas as crianças, mas também, os pais, os professores e o público em geral, como objetivo de despertá-los para a criança e suas vivências, promovendo a valorização do universo infantil. Sesc Amazônia das Artes O projeto contempla os Estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins. Produções culturais de cada Estado circulam na região...

Leia Mais
“Pra que fazer isso?” com Eros Prado
maio18

“Pra que fazer isso?” com Eros Prado

Quem volta a se apresentar no Teatro Manauara, no dia 24 de maio, a partir de 19 horas é o comediante Eros Prado (o “Inconveniente” do Pânico da Band), com o show “#Pra que fazer isso?”, que conta ainda com as participações especiais de Gabriel Testin e Júlio Chocolate. “#Pra que fazer isso?” é a mais nova montagem do humorista Eros Prado, com apenas um ano em cartaz. A comédia inovou ao misturar performances musicais a toda a sagacidade e irreverência próprias dos stand-ups, atreladas às forças dos personagens. Os ingressos estão à venda no valor de R$ 50, na bilheteria do teatro, localizado no Piso Buriti, do Manauara Shopping (Av. Mario Ypiranga Monteiro, 1300 – Adrianópolis) e pelo site www.ingresse.com. Neste show também acontece um rodízio de personagens dos mais diversificados possíveis, assinalando mais uma vez a grande característica do ator: a variedade. Em “Pra que fazer isso?”, Eros Prado traz aos palcos um dos sucessos recentes do Programa Pânico na Band, o famoso “Pagode Da Ofensa”, em que serão reproduzidas as músicas de maior destaque do quadro, além de novas improvisações com o público presente, fazendo deste um espetáculo diferente e único em cada apresentação. Ao longo da apresentação, são abordados temas como tabu, mitos e verdades, claro, com muito bom humor e de maneira totalmente “inconveniente”, marca registrada do ator. O ator e comediante Eros Prado - o “Inconveniente” do programa Pânico na Band envolve o público com uma apresentação totalmente dinâmica e interativa, com textos que focam na importância do riso em curar os males da vida. O trio Eros Prado, Gabriel Testin e Júlio Chocolate promete arrancar gargalhada, interagindo com a plateia presente, no espetáculo que tem duração de 90 minutos. Mais informações sobre “#Pra que fazer isso?”, pelo sitewww.teatromanauara.com.br, pelas redes sociaisfacebook.com/teatromanauara e instagram @teatromanauara e pelo fone(92) – 3342 8030....

Leia Mais