Garantido festeja dia da promessa a São João
jun24

Garantido festeja dia da promessa a São João

O Garantido cumpre a tradição, no Dia da Promessa do Mestre Lindolfo a São João Batista neste dia 24, com ampla programação religiosa e de festa nas ruas. As 18 horas, inicia a Ladainha a São João Batista por membros da família Monteverde e Velha Guarda da Baixa. Em seguida às 20 horas, o Boi Mais Campeão de Parintins sai às ruas brincando ao redor das fogueiras na última saída antes do festival folclórico de Parintins. A data é tradicional e está há décadas fixada no calendário de eventos do Boi do Povão. Além dos cantores oficiais no trio, o Boi da Promessa vai com Batucada, Comando Garantido, Garantido Show pelas ruas Lindolfo Monteverde, Armando Prado, Álvaro Maia, Avenida Amazonas até a Catedral do Carmo. "O Garantido tem tradição, religiosidade e muita alegria para seu povo. A saída deste 24 não deixa de ser um momento de comemoração antecipada pelo grande trabalho que desenvolvemos para o nosso 32º campeonato" , afirmou Fabio Cardoso. Texto: Márcio Costa Fotos: Élcio Farias e Justino...

Leia Mais
Boi Caprichoso realiza noite da galera oito vezes campeã do festival com Jr Paulain
maio16

Boi Caprichoso realiza noite da galera oito vezes campeã do festival com Jr Paulain

Incansável. Essa é uma das justificativas de nota 10 dada por um jurado para consagrar o oitavo título do item Galera e o bicampeonato do Boi-Bumbá Caprichoso, no 53º Festival Folclórico de Parintins. Essa hegemonia da nação azul e branca nos espetáculos é resultado da harmonia das torcidas oficiais da arquibancada com o boi na arena do Bumbódromo. Para render homenagem ao protagonismo do Item 19, o Caprichoso anuncia a noite temática da galera, no sábado, 18 de maio. Os primeiros 200 torcedores a entregarem um quilo de alimento não perecível, na portaria do curral Zeca Xibelão, vão ganhar um presente da galera campeã, o CD duplo Boi Caprichoso 2019 “Um Canto de Esperança para a Mátria Brasilis”. O ensaio show das torcidas Raça Azul e Força Azul e Branca (FAB) tem como atrações a Marujada de Guerra, os levantadores de toadas de curral, a participação especial de Júnior Paulain, o Corpo de Dança Caprichoso (CDC) e Troup Caprichoso. Os torcedores e sócios também concorrem aos sorteio de kits do Boi Caprichoso. Preparação para o Bumbódromo Os materiais de galera já são confeccionados por aderecistas, no curral Zeca Xibelão, em preparação ao espetáculo no 54º Festival Folclórico de Parintins, em busca de mais uma vitória consecutiva, tanto da galera, quanto do Caprichoso, na arena do Bumbódromo. Os gêneros alimentícios arrecadados serão destinados para as equipes de confecção de materiais de galera do projeto boi de arena 2019. Fotos: Pedro...

Leia Mais
A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 3]
abr28

A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 3]

Para finalizar este registro da nossa expedição pelo Alto Rio Negro. Aproveito para vender o "meu peixe", o  curso de “Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e o “Atendimento e Camareiro”. Neste caso, contribuiu para o aumento da qualidade dos serviços prestados e as suas ações focadas na qualificação e na gestão sustentável do efetivo do exército. Com o aperfeiçoamento de profissionais no local de treinamento realizado orientei as equipes no aperfeiçoamento contínuo de suas competências, hoje requeridas para a entrega de serviços de qualidade. No último dia do estágio realizamos o serviço de mise en place à brasileira e a inglesa indireta com o uso do guéridon para a proposta gastronômica de peixe para  500 militares, outro pedido do responsável pela cozinha – Moqueca de Surubim, para deixar o sabor da carne um pouco mais marcante, defumou parte do Surubim e na Moqueca resolvemos dar um toque do sabor Amazônico, colocamos tucupi preto com formiga (muito utilizado lá) e jambu. Além  do toque picante com pimenta jiquitaia, também de São Gabriel da Cachoeira, fechando assim as aulas práticas e teóricas. A despedida foi emocionante, todos comovidos e realizados diziam que tínhamos ensinado muito para eles, mas eu tenho a certeza de que aprendemos muito mais do que ensinamos! Aproveitamos para ir até a feira local e experimentar o prato mais tradicional e antigo da região, o “KIÑAPIRA”, um peixe cozido apenas com pimentas regionais. Pensávamos em um prato extremamente picante, porém ao experimentar notamos que após segundos de forte ardor, o mesmo sumia deixando o sabor do peixe bem suave, um prato extraordinário pela sua simplicidade no preparo e complexidade no paladar. Acompanhado de dois beijus deliciosos, chega a manteiga derrete! Paladar este que me remeteria a retornar a escrita no barco expresso e a continuar minha viagem de volta a terras manauaras, no exato momento em que o almoço é servido tendo como plano de fundo a exuberante floresta amazônica, sobremesas como doces de compota e frutas regionais que enriquecem o cardápio. O Sol ressurge, a luz nos guia e a floresta abençoa, sirvam-se e um bom almoço a todos os ribeirinhos, caboclos, parentes e tudo pela...

Leia Mais
A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 2]
abr26

A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 2]

O tempo nublado acalmou o Sol, vejo no horizonte a selva em camadas de tons verde, pássaros cruzam o rio em vôos rasantes a espreita de sua próxima alimentação, enquanto ribeirinhos pescam também a procura de sua alimentação, sincronizados e voltados para a Gastronomia todos se conectam através do comensalismo, da cultura em alimentar-se em grupos, em produzir o seu próprio alimento através de suas técnicas ancestrais assim como o sabor da iguaria que emana da panela para a refeição no barco expresso e logo será servida pela equipe de serviços que como uma boa brigada realiza o mise en place com qualidade e padronização, sinônimos estes que seriam agregados a outros pelo real motivo de minha viagem a São Gabriel da Cachoeira, distante 856 km ou 532 milhas ou ainda 462 milhas náuticas de Manaus, onde se encontram além da paisagem “a Bela Adormecida”, as comunidades indígenas Puranga Pesika e Añunti Atiati Mhüsã, a Ilha do Sol e há também o nosso contratante, representado pelo Exercito Brasileiro. E no período de 25 a 29 de março, os militares do Setor de Aprovisionamento da 2ª Brigada de Infantaria de Selva, do Hotel de Trânsito de Oficiais e do Hotel de Trânsito de Subtenentes e Sargentos, realizaram o estágio de "Cozinha Regional e Segurança Alimentar"  e o estágio de  "Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e “Atendimento e Camareiro". O estágio de “Cozinha Regional e Segurança Alimentar”, que teve por objetivo aumentar o nível de excelência do serviço apresentado pelos militares do Setor de Aprovisionamento, foi ministrado pelo Chef. Marco André Gomes de Souza, tendo como últimos investimentos Pós Graduação em Gestão Gastronômica, Pós Graduação em Segurança Alimentar, Empretec e o estágio no qual foi ensinado as técnicas de cozinha industrial, as boas práticas de alimentos, as técnicas de comidas regionais brasileira, e o peixe assado na brasa. O estágio tem a chancela da ABRASEL – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes e com isso entregamos aos participantes o Selo de Peixe na Brasa do Amazonas. Já o estágio de “Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e o “Atendimento e Camareiro” foi ministrado pelo Chef. Rômulo de Araújo Moreira, tendo também como últimos investimentos Tecnologia Superior em Gastronomia pelo Centro Universitário Fametro e apresentou aos militares do Hotel de Trânsito de Oficiais e Hotel de Trânsito dos Subtenentes e Sargentos da Guarnição de São Gabriel da Cachoeira as normas técnicas de Camareiro Hoteleiro e as suas atribuições, assim como a Palestra realizada no auditório sobre Hospitalidade e Hotelaria, enquanto que no Cassino (refeitório, rancho) ministrou o estágio em “Tipologia de Serviços – Garçom Básico” com a programação elaborada na rotina da manhã com aulas teóricas e à tarde...

Leia Mais
A gastronomia ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira
abr25

A gastronomia ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira

E a silhueta está de perfil, magnífica imagem da natureza que nos recebe com sua receptividade familiar como as suas comunidades indígenas que assim como o índio Ararigbóia, são ancestrais. Horizonte em que o verde nos apresenta com os seus 50 tons de selva em suas copas robustas de deixar qualquer arranha-céu sentir-se como uma construção do canteiro de obras. A viagem de barco expresso é algo único que todo gastrônomo deveria experimentar tipo os sabores e iguarias que essa terra produz. À beira do rio cortinas de água envolvem as árvores, praias surgem em meio à selva amazônica. Emerge um boto cinza, um canoeiro atravessa o rio calmamente como se o mesmo fosse o abstrato da paisagem. Ao mesmo tempo que os passageiros com seus mochilões multicoloridos, multifuncionais e proparoxitonais familiares do Norte do Brasil, tem seu destino, seu job ou serviço a ser prestado com excelência, há também vários barcos e embarcações atracados e com seus ribeirinhos a pular, a pescar e a nadar nesse majestoso Rio Negro, ou melhor, Alto Rio Negro, com suas inúmeras e enigmáticas pedras ancestrais assim como a sua Gastronomia Amazônica... E sim! – Havia, sim, pedras em meu caminho! Ao observar atentamente vejo que são imensas as rochas e os minerais com seus designs majestosos, imensuráveis e intocáveis assim como essa parte da floresta, com seu caminho cortado pelo nosso barco expresso, ficando para trás todo o respeito e zelo pela floresta, e sim nesse momento respiro água e sim os ribeirinhos sabem viver e sim há botos cinza enormes também no Alto Rio Negro, este mesmo rio calmo e silencioso onde apenas ouve-se o barulho do motor do barco expresso, um longo e reluzente tapete negro nos rodeia, e mais rochas ancestrais e mais botos cinza, do lado esquerdo tempo de chuva no horizonte e ao lado direito já não há cortinas de água elas agora dissipam e parece fumaça fazendo a floresta respirar e inspirar novas propostas gastronômicas que este chef Rômulo Moreira, vos relata. Incomparável tal beleza de seus rios, e sim há morros, serras e montanhas no Alto Rio Negro, a cada novo emaranhado de floresta e rio há cocção na cozinha do barco expresso afinal este também é um artigo gastronômico. Cardápio do almoço: carne guisada acém, com arroz branco, feijão completo, macarrão e legumes a vapor (cenoura, brócolis e couve-flor) na cozinha que mais lembra um closet de um loft na Avenida Paulista. Nós gastrônomos nos adaptamos em quaisquer lugares e situação que nos insere. Afinal estamos aqui para levar a promoção da saúde e a recuperação da mesma também na Gastronomia. E a cada desvio das rochas e minerais ancestrais...

Leia Mais
Que tal um passeio turístico e gastronômico pela Amazônia?
mar09

Que tal um passeio turístico e gastronômico pela Amazônia?

O Projeto tem a parceria filantrópica entre o chefe Dedé Parente e o restaurante comunitário Sumimi, na comunidade de Cuieiras no Rio Negro, para aproximar a iniciativa popular regional e local, a cultura gastronômica milenar indígena, os costumes comunitários, com o profissionalismo de uma grande rede de restaurantes que já avançou pelo restante do País levando a gastronomia do Norte. Localizado no Rio Negro, as margens da Boca do Rio Cuieiras, na Comunidade Três Unidos (aldeia Kambeba), o restaurante Sumimi vem se destacando pela sua gastronomia indígena sob o comandoda Chef Miskui Kuira com apoio filantrópico do Chef Dedé Parente, do Grupo Dedé.O evento começa domingo, dia 11 de março e será realizado no segundo domingo de cada mês com a capacidade máxima para quarenta pessoas, este é um passeio que terá translado, brunch, recepção, arquearia, trilha, shopping da selva, lazer na praia, redário e um almoço especial feito pelas chefs da tribo kambeba com a companhia do renomado chefe Dedé Parente. O Restaurante Sumimi é uma iniciativa de um grupo de 10 mulheres indígenas da Comunidade de Cuieiras, que de forma comunitária construíram e mantém um restaurante local que visa atender os viajantes, turistas e aos que circula pelas águas do Rio Negro, a proposta é atual, alinhada com objetivos globais de distribuição de renda e melhoria da vida social, inclusão da mulher no ambiente de negócio, além de ecologicamente também alinhada com princípios globais, quando de forma bastante consciente se destacam pelo cuidado com os resíduos, a higiene e organização ambiental do negócio. De acordo com a Chef Miskui a parceria está dando muito certo, pois elas puderam fundir a própria culinária indígena com a culinária do Dedé, amazônica, e assim surgiu o prato Fani, que foi apresentado na Figa 2017 se tornando um grande sucesso desta mistura de culinárias, afirma. O Grupo Dedé vem através desse projeto dando suporte filantrópicoao restaurante, com a finalidade de transferir tecnologia, conhecimentos e práticas de empreendedorismo, legislação, técnicas de gastronomia e claro recebe a troca de conhecimentos e técnicas utilizadas há séculos pela cultura indígena na culinária, além do imenso retorno social que é para o Grupo apoiar uma iniciativa de tanto estímulo para metas globais tão almejadas pela sociedade na atualidade. A saída será as 8hs de Manaus pela Marina do Davi, Ponta Negra e o retorno será as 16 hs. O passaporte esta sendo vendido no valor de R$ 150,00, pelo fone: 99214-2382 – Cleverton e serão vendidos somente 40 passaportes no passeio ao restaurante Sumimi. ROTEIRO DO ALMOÇO – 11.03.18 08:00 Saída da Marina do Davi 09:30 Recepção: Brunch na chegada 10:30 Arqueiro (arquearia) Trilha curta Shopping...

Leia Mais