Ateliê 23 lança trilha sonora do projeto ‘Ouve’ nas plataformas digitais
mar02

Ateliê 23 lança trilha sonora do projeto ‘Ouve’ nas plataformas digitais

As performances em formato intimista estão disponíveis no Instagram e no canal da companhia no Youtube Está no ar a série de vídeos que compõe a nova edição do “Ouve”, projeto do Ateliê 23, assinado por Wilas Rodrigues, com trilhas autorais dos espetáculos “da Silva”, “Janta”, “Helena” e “Vacas Bravas”. Até quinta-feira (4/3), o público confere as performances em formato intimista no Instagram e no canal da companhia no Youtube (@atelie23). O projeto foi contemplado no Edital Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (ManausCult), por meio da Lei nº14.017/2020, conhecida como Lei Aldir Blanc. Segundo Eric Lima, intérprete nos acústicos desta versão do “Ouve”, no total, sete músicas vão ser lançadas em todas as plataformas digitais. Ele adianta que o lançamento oficial está programado para 15 de março, quando acontece ainda uma live em parceria com Wilas Rodrigues. “Vamos fazer uma apresentação de voz e violão durante 40 minutos, seguindo todos os protocolos de segurança”, adianta Eric. O ator conta que a equipe trabalhou os arranjos das músicas de forma presencial, ainda em dezembro de 2020, no entanto, os vídeos foram gravados neste período de isolamento social somente por ele, que utilizou diferentes ambientes de casa para compor os vídeos. “O Israel Nunes gravou todas as bases no estúdio e, a partir daí, comecei a gravar os vídeos com todo amparo técnico que eu tinha disponível e ângulos diferentes, explorando todas as possibilidades de cenário que a minha casa oferece e pensando no figurino que funcionaria para trazer a energia que eu queria em cada música”, comenta o artista. “Foi um processo empírico, mas muito orgânico, de pensar nessa organização com cuidado maior na parte do áudio, buscando melhorar a captação de voz já que não gravei no estúdio”. Programação – Estão disponíveis os acústicos de “O Tempo Voou”, do espetáculo da Silva; “Enterrada”, de “Vacas Bravas”, que ganhou um toque especial de Israel Nunes; e “Helena”, da peça com o mesmo nome. O diretor da companhia, Taciano Soares, explica que, por conta da pandemia do novo coronavírus, o Ateliê 23 reorganizou a programação e adaptou todos os projetos da casa para o formato virtual. “É uma forma de manter a proposta e acessar as pessoas, o que teve uma excelente resposta, porque as pessoas lembram dos espetáculos e isso nos dá uma satisfação”, afirma Taciano. “Apesar de termos que abolir o presencial em decorrência da pandemia, estamos conseguindo nos comunicar com nosso público, que é o objetivo principal, e aguardamos para retomar o projeto na sua forma original quando for possível, com segurança e com vacina”. Ateliê 23 – Em sete...

Leia Mais
Teatro Amazonas é cenário de clipe novo da Santrio que estreia novo álbum
dez23

Teatro Amazonas é cenário de clipe novo da Santrio que estreia novo álbum

Além do novo álbum ‘Líquido’ e do clipe ‘Fotografia’, a banda de rock amazonense Santrio lança também o documentário sobre o processo de produção do CD, o qual foi contemplado no edital Conexões da Prefeitura de Manaus. Ouça o álbum no Spotify *Assessoria de comunicação A banda de rock progressivo Santrio lança hoje (21), em todas as plataformas digitais, o álbum novo ‘Líquido’, o clipe Fotografia no YouTube, e também um documentário sobre processo de produção do CD. A banda é composta por Lucas Passos no vocal e guitarra, Andrio Dias na bateria e Warllison Barbosa no baixo. O novo álbum ‘Líquido’ traz nas suas composições, letras que retratam a sociedade ‘líquida’ a qual estamos vivendo, como explica o vocalista e guitarrista da banda, Lucas Passos. “Músicas como: ‘Uploud’, ‘Filtro’, e ‘procrastinação’ trazem reflexão sobre o cotidiano da era da tecnologia”, comenta o músico que também é produtor cultural. A produção conta com a participação do guitarrista manauara Aldenor Honora, que realiza um feat. na música “Backup”. “É de grande felicidade ter a participação do Aldenor, um amigo das épocas de estudantes de música e um dos melhores guitarristas da nossa cidade, foi um prazer dedicar uma música para ele realizar um solo de guitarra” esclarece, Passos. O projeto da produção do novo álbum da banda Santrio foi contemplado no edital Conexões Culturais de 2018 da Prefeitura de Manaus por meio da ManausCult. Clipe ‘Fotografia’ no Teatro Amazonas Para a produção do clipe ‘Fotografia’, a banda escolheu o Teatro Amazonas como cenário. Segundo o baterista Andrio Dias, a ideia é mostrar muito além do palco, que geralmente é o principal foco de quem o visita.Assista o clipe ‘Líquido’ “Escolhemos os corredores e o Salão Nobre como referência do que o Teatro, como um monumento, tem para contar no seu backstage. O palco do Teatro não é o único lugar que se comunica com o público. Esse foi o principal intuito do clipe, trazer uma reflexão de memória fotográfica que se faz presente no entorno do palco do Teatro Amazonas”, disse. Segundo Passos, os clipes do álbum líquido vão ser todos conectados para contar uma história contínua sobre as várias formas de usabilidade da tecnologia. “Começamos com o clipe ‘procrastinação’ que retratou bem como o uso do smartphone pode atrapalhar tarefas básicas durante o dia”, comenta o vocalista. Documentário e palestra sobre produção Outra novidade da banda é o lançamento do documentário sobre a trajetória da Santrio, que segundo o baixista Warllison Barbosa, vai mostrar não apenas o cotidiano das criações da banda, mas também a preparação para shows, montagem de cenário para os clipes, além de outras produções e curiosidades. Assista o Doc. “Vamos apresentar um pouco da nossa realidade atual, de como ocorreu o nosso processo de ensaio, de criação e do relacionamos entre a banda em meio a pandemia. Contaremos também como foi o início de tudo, como a banda foi formada, e como foi...

Leia Mais
Performance “Vanessa” inicia hoje no Centro de Formaçao Awaré
dez14

Performance “Vanessa” inicia hoje no Centro de Formaçao Awaré

Inicia hoje (14) a circulação da performance “Vanessa”, um solo sobre as vivências pessoais e a identidade étnica de uma mulher negra manauara homônima. As apresentações ocorrerão também nos dias 15 e 21 de dezembro, pelas zonas norte e leste da capital amazonense, sempre às 18h, de forma gratuita, sendo a primeira no Centro de Formação AWARÉ, localizado na rua Sucupira, n. 1111, bairro Colônia Terra Nova. O projeto é a primeira direção da artista Daniely Lima, que iniciou esse processo cênico e os estudos sobre identidade negra ainda em sua graduação em Teatro. “O solo aborda questões identitárias da vida pessoal da intérprete, Kelly Vanessa, e o recorte de classe que tanto atravessam a situação socioeconômica quanto as relações afetivas e interpessoais. Falar da vida pessoal de alguém, principalmente quando se é a vida pessoal dessa intérprete, tem que ser um lugar de muita sensibilidade, porque a gente está lidando com a história de alguém, histórias reais”, disse a diretora. A direção do espetáculo também se baseia em buscar referências ancestrais e pensar o corpo preto enquanto memória, prezando a ressignificação dos acontecimentos pessoais ocorridos à atriz ao longo de sua vida que a tornaram a mulher de hoje como um processo de cura e de criação de afeto com seu corpo. “Estou hoje com 30 anos e nunca quis falar muito sobre minha identidade. Eu nunca quis me colocar como mulher preta. E hoje, que estou recém-formada em Teatro, comecei a pesquisar mais sobre as invisibilidades em relação às mulheres pretas de se reconhecerem. As pessoas usam muito a questão do ‘moreno’, da ‘morena’, e eu acho que hoje estou em um processo de reflexão, de escuta e de observação não somente dos que estão ao meu redor mas também do meu eu interior”, comentou a intérprete Kelly Vanessa sobre o processo árduo de reconhecimento de sua negritude. Contemplado pela Lei Aldir Blanc através do Prêmio Manaus Conexões Culturais 2020, da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Evento (Manauscult), “Vanessa” conta com a interlocução e provocação da atriz do Bando de Teatro Olodum (BA), Cássia Valle, uma das grandes referências do estudo artístico sobre memória ancestral e arte preta do Brasil. “A Cássia Valle traz um refrigério e amparo para o processo. Ela trata com uma leveza essa questão de se reconhecer enquanto mulher preta que eu vejo e penso ‘Como ela consegue falar sobre assuntos tão doloridos para gente que tem sofrido e passado cada momento?’”, disse Kelly sobre as provocações da artista baiana. Circulação do espetáculo O solo “Vanessa”, que conta com a produção de Thalia Barbosa e Jonathan Farias, também tem o intuito de...

Leia Mais
‘Feirinha – Arte, Cultura e Diversão’ terá edição especial
dez11

‘Feirinha – Arte, Cultura e Diversão’ terá edição especial

Nos dias 15 e 16 de dezembro, acontecerá a edição especial da ‘Feirinha – Arte, Cultura e Diversão’, no Instituto Cultural Brasil – Estados Unidos (ICBEU), das 9h às 17h, e atenderá, durante os dois dias, 160 crianças acompanhadas de um responsável por meio de inscrição prévia. Todas as atividades do circuito seguirão normas de higiene e segurança para salvaguardar os participantes do evento, que recebe o apoio da Prefeitura de Manaus por meio do edital da ManausCult. A ‘Feirinha’ é uma produção independente que promove para as crianças o conhecimento, lazer e entretenimento a partir de atividades artísticas e culturais na cidade de Manaus, como elucida a coordenadora Camila Maria. “Nosso projeto sempre procura oferecer ambientes culturais e criativos para a infância pois acreditamos que estes colaboram para o desenvolvimento e o despertar de habilidades cognitivas das crianças”. De acordo com a coordenadora, nesta edição, as atividades da ‘Feirinha’ serão realizadas em circuitos fechados com número limitado de crianças por Estação de brincadeira. “Vamos oferecer uma programação multicultural com segurança para família, por isso cada estação receberá apenas cinco crianças por vez, estas receberão um kit individual para brincar, e no intervalo de cada grupo será feito a higienização dos espaços”. Para democratizar o acesso ao evento, por conta do número limitado de participantes, a programação de palco da Feirinha será transmitida Ao Vivo no YouTube, no canal da Feirinha. O Icbeu, apoio cultural da Feirinha nesta edição, fica localizado na Av. Joaquim Nabuco, 1286, centro da cidade de Manaus, oferece estacionamento exclusivo e segurança para a realização do evento, como aferição de temperatura, álcool 70%, e tapete sanitizante na entrada da instituição. Inscrições As inscrições serão realizadas pela plataforma Sympla, onde cada responsável pode inscrever apenas uma criança. No ato da inscrição os pais devem atentar para as medidas de segurança do evento, como utilização de máscaras logo na entrada. Clique aqui para realizar a inscrição. Programação Apresentações de Dança, Música, Circo e Teatro vão compor a programação de palco da Feirinha, como explana a produtora do evento Gisele Rikerr. “Estas atrações serão realizadas na área kids do Icbeu, que é uma área aberta, onde cada grupo por vez poderá se acomodar devidamente com o distanciamento necessário”. Após a apresentação do palco, as crianças seguirão para o circuito de brincadeiras e oficinas, nesta edição serão sete Estações: Oficina de artes, Estação Tabuleiro, Estação Circo, Contação de História, Exposição de arte, e Árvore Literária. A novidade será a visitação à duas Exposições de Arte, a Exposição temporária ‘Linhas do Tempo’ e a Exposição permanente ‘The Art Collection’ do espaço cultural do Icbeu. Sobre a Feirinha A Feirinha é fruto do trabalho de conclusão de curso dos alunos da Pós em Gestão e Produção Cultural da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e é composta por Ana Oliveira, coord. de...

Leia Mais
Festivais no Amazonas e os impactos da Covid-19
Maio27

Festivais no Amazonas e os impactos da Covid-19

Festival Até o Tucupi convida nesta quinta (28) festivais amazonenses para debate online, que reflete as produções em tempos de coronavírus e isolamento social. O Festival Até o Tucupi de Artes Integradas, que em 2020 completa 14 anos de realização ininterrupta, provoca o debate Festivais no Amazonas e os Impactos da Covid-19, com produtores de Festivais do Estado do Amazonas, para refletirem o cenário artístico-cultural no contexto de pandemia, medidas restritivas e seus impactos nessa cadeia produtiva. O debate acontece nesta quinta-feira,  28 de maio de 2020, às 19h e terá transmissão ao vivo no Facebook e YouTube do Coletivo Difusão. Os festivais, feiras e festas no país que já não cancelaram/adiaram suas edições, no mínimo estão repensando seus formatos, até realizando suas programações em formato on-line. De acordo com um levantamento feito pelo DATA SIM em março de 2020, 536 empresas ouvidas pela pesquisa reportaram o adiamento ou cancelamento de mais de 8 mil eventos de música ao vivo em 21 estados do Brasil. Se os resultados fossem projetados para todas as 62 mil MEIs da “música ao vivo” (empresas individuais de “Produção” e “Sonorização e Iluminação”), os prejuízos seriam de R$ 3 bilhões afetando um milhão de trabalhadores.  Outro ponto em análise se configura na aprovação da PL 1075/2020, Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, aprovada nesta terça-feira (26) na Câmara dos Deputados e que agora segue para o Senado Federal. A proposta visa destinar uma ajuda ao setor cultural durante a crise da pandemia de R$ 3 bilhões. Se a proposta for aprovada o recurso será repassado pelo Governo Federal, em até 15 dias da publicação da Lei, aos estados, municípios e ao Distrito Federal, destinada aos fundos de cultura e aplicados na renda mensal para trabalhadores do setor.  Para debater os impactos da Covid-19 e do isolamento social na realização de festivais foram convidadas representantes do Festival de Parintins: Lydia Lucia, Boi Bumbá Garantido e Ericky Nakanome, do Boi Bumbá Caprichoso. Além de produtores como: Elisa Maia, Festival Somas; Paulo Trindade, Festival Até o Tucupi; Diego Bauer, Olhar do Norte; Ana Oliveira, Potência das Artes do Norte; Márcia Novo, Tarumã Alive; Laelia Nogueira, Feira Urbana de Alternativas. A mediação com convidados será conduzida pela produtora Michelle Andrews, com apoio na mediação de comentários de Adelon Murari e Pedro Cacheado, onde o público pode interagir nos chats com perguntas e comentários aos convidados e mediadores. O Coletivo Difusão assina a realização da atividade. A organização cultural fomenta cultura e atua na integração entre as manifestações artísticas independentes nas ações e projetos que executa. Sobre o Festival Até o Tucupi O Festival Até o Tucupi de Artes...

Leia Mais
Encontro de Hip Hop do Norte
fev17

Encontro de Hip Hop do Norte

Nos dias 29 de fevereiro e 01 de março, das 10h00 às 20h00, o Centro Cultural Povos da Amazônia recebe o primeiro Encontro de Hip Hop no Norte (EH2N).O projeto foi contemplado no Prêmio Manaus de Conexões Culturais 2018 e conta com o apoio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (MANAUSCULT) e Secretaria de estado de Cultura e Economia Criativa. O Acesso ao evento é gratuito! Segundo Fábio Moura, idealizador e diretor geral do evento, “o EH2N tem como principal objetivo proporcionar atividades formativas diferenciadas em um nível nacional, para que no futuro, a cidade de Manaus seja inserida na rota dos principais eventos de cultura urbana, não apenas da região Norte, mas do Brasil como é o caso dos convidados Raquel Cabaneco (MG), BBOY Yude (DF) e Diego Josh (SP).”” No total, serão 30 horas de programação ocupando diferentes ambientes do Povos da Amazônia com Workshops de Dança, Grafite e Lambe-Lambe, Batalhas de Dança, Rodas de Conversas e Shows musicais, tudo dentro do universo da cultura Hip Hop, sendo elas mediadas por artistas locais e nacionais.  O projeto tem como a base de ação, nove workshops de Dança, com as suas mais diferentes vertentes e desdobramentos das danças urbanas, como as Batalhas de Breakdance e Hip Hop Dance. Também faz parte da programação: Oficina de Grafite com a Artista Deborah Erê.Oficina de Lambe-Lambe com Soraya Nurieh (Snurieh), Rodas de Conversa sobre a presença da Mulher no Hip Hop e também sobre o universo LGBT, Feira Criativa, Stands de gastronomia e shows musicais etc. No primeiro dia, sábado, dia 29/02, no palco Encontro das Águas acontecerá o show musical das cantoras Lary Go e Strela e grafite ao vivo com a artista Deborah Erê. E no segundo dia, domingo, dia 01/03,  encerrando a programação geral do EH2N- Primeira Edição, haverá o show do rapper Ian Lecter que acabou de lançar o álbum “Cor da Alma” e o videoclipe “Tipo Madruga” em parceria com a cantora e compositora Karen Francis. O evento é gratuito, e para participar das atividades é necessário apenas chegar no local com antecedência mínima de 1h para realizar o credenciamento e fazer a retirada da pulseira individual de acesso (passaporte). O credenciamento, nos dois dias, iniciará, pontualmente, às 09h00 da manhã e deve prosseguir até o período tarde. Confira na lista abaixo todos os convidados da edição e a programação detalhada: PROGRAMAÇÃO – 29/02 (Dia 1) PALCO ENCONTRO DAS ÁGUAS: 10H – Victor Venâncio 11H30 – Raquel Cabaneco (MG) 14H – Fernando C. Branco 15H30 – Diego Josh (SP) 17H – Filtro Breakdance 17H45 – Filtro Hip Hop Dance 18H30 – 8ª de Finais...

Leia Mais