Trupe leva oficina e espetáculo de teatro para Itacoatiara
out21

Trupe leva oficina e espetáculo de teatro para Itacoatiara

Através do edital de chamamento público 2019 , a Fundação André e Lucia Maggi (FALM) preparou uma programação especial para o seu Espaço Cultural Velha Serpa em Itacoatiara (AM). A Fundação André e Lucia Maggi (FALM) é a instituição responsável pela gestão do Investimento Social Privado da AMAGGI nas regiões estratégicas para a empresa. Sua atuação está voltada para o fortalecimento do protagonismo social de jovens e lideranças para o desenvolvimento local sustentável. São oficinas e apresentações gratuitas voltadas para toda a comunidade e a Espatódea Trupe foi selecionada entre propostas recebidas de todos os Estados da Amazônia Legal, e ficou responsável pela única atração de Teatro com a Oficina de Contação de Histórias nos dias 23 e 34 de Outubro às 18:30h e com o Espetáculo “Upiara e lenda da água doce” que acontecerá no dia 25 de Outubro às 15:30h. Oficina é direcionada aos profissionais de diversas áreas, interessados em perder a timidez, desenvolver a capacidade criativa de ordenar suas ideias, bem como, defender suas propostas, aulas, e/ou seus produtos. Este curso promove uma melhora significativa em sua comunicação, oralidade e crescimento profissional. O Teatro e suas práticas artísticas podem ser um diferencial no desenvolvimento da carreira do profissional, visto as possibilidades de reinventar-se/ reconhecer-se e não se manter na estagnação. Muitos profissionais estão acomodados em suas metodologias, indispostos a promoverem mudanças, insensíveis, e estas são consequências da inércia e da falta de um bom treinamento profissional. Muitas vezes a inibição distorce sua imagem. Uma pessoa tímida ás vezes pode ser confundida com alguém antipático/ introspectivo, o que não é necessariamente uma regra, mas existem muitas possibilidades de mudar esta realidade e expandir sua capacidade sociável. Upiara e a lenda da água doce é um espetáculo infantil, que enaltece a cultura popular do folclore brasileiro. Sua dramaturgia tem como intenção estimular as crianças ao hábito da leitura. Esta é a história de uma menina que num dia como outro qualquer, ganha de presente de sua mãe, um livro que conta do surgimento do rio Amazonas. Encantada com o que lê, a garotinha e seus amigos vêm-se transportados para dentro do enredo e lá acabam conhecendo personagens lendários dos contos e lendas da floresta, onde vivem aventuras que adoram contar. Embarcam para Itacoatiara no elenco: Guilherme Bindá, Kaylane Janes, Rayna Fortes Lucas Silvas e Emanuela Caldas, com a Direção e Produção de Emille Nóbrega e Árlisson Cruz. As atrações (espetáculos, oficina e contação de histórias) são voltadas para o fortalecimento do protagonismo, por meio de atividades lúdicas de construção coletiva, promovendo a criatividade, a expressão e o autoconhecimento. A participação é gratuita. A Espatódea Trupe Produções artísticas é...

Leia Mais
Espetáculo ‘Vacas Bravas’ estreia sexta-feira (12)
jul09

Espetáculo ‘Vacas Bravas’ estreia sexta-feira (12)

Construída sobre metáforas numa leitura subjetiva ao espectador sobre alguém que deseja não aceitar o que o outro impõe como afeto para não assumir as rédeas da vida é a proposta do novo espetáculo do Ateliê 23, “Vacas Bravas”, que estreia no dia 12 de julho, às 20h, na sede da companhia (Rua Tapajós, 166, Centro). A produção ficará em cartaz todas as sextas-feiras e sábados até o fim de agosto. Os ingressos ficarão disponíveis na bilheteria da casa por R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia entrada para artistas, estudantes, idosos e portadores de necessidades especiais). Todas as sextas-feiras estudantes que apresentarem comprovante estudantil pagam R$ 5 enquanto quem levar dois amigos pagantes, terá ingresso gratuito. Segundo o diretor e ator Taciano Soares, a questão da metáfora começa no nome do espetáculo, que se dá a partir do significado de vaca brava em Portugal. “Dá-se o nome de vaca brava à fêmea do touro enquanto a fêmea do boi chama-se vaca mansa. É a vaca mansa, então, o modelo de vaca leiteira que o homem transformou num mero produto de consumo, como se esse fosse o único motivo pelo qual as vacas existem. A partir disso, o eu-lírico da cena deseja ser vaca brava, alguém que não aceita seu destino de vaca leiteira, que não deseja ser simplesmente uma vaca mansa”, explica Taciano. “O espetáculo acontece em três territórios: o da mãe, do afeto e do artista, que são apontados em cena com desenhos no próprio cenário como, respectivamente, o que é grande e a gente não alcança, o que ocupa muito espaço na gente e o que é difícil ficar. ‘Vacas Bravas’ é o desejo sublime por algo bom, é sobre não aceitar o que é imposto, é tentar e falhar, mas continuar tentando”. Produção O Ateliê 23 produz, todos os anos, uma ou duas novas obras de teatro ou dança. “Vacas Bravas” é a primeira estreia de 2019, o processo de preparação e montagem aconteceu em dois meses, maio e junho. “Foi bastante rápido, mas intenso e suficiente para desenvolvermos esse conceito, quase filosófico, sobre o trabalho. Isso se dá pelo nosso movimento natural de estarmos sempre em processo”, comenta o diretor do espetáculo. “Não dá para negar que a obra acaba por ser autobiográfica em várias camadas, como tem sido a investigação do Ateliê 23 nos últimos anos”. Elenco renovado A peça conta com cinco atores no elenco. Além de Taciano, que também assina o cenário e divide a direção e dramaturgia com Jean Palladino, estão em cena Ítalo Rui, que já trabalhou em duas produções da companhia como “O Arquiteto e o Imperador de...

Leia Mais
Companhia Trilhares inaugura salas de espetáculos no Domingo Cultural
maio31

Companhia Trilhares inaugura salas de espetáculos no Domingo Cultural

   A sede da Companhia Trilhares abre suas portas para realizar mais uma edição do Domingo Cultural. A programação acontece neste domingo (2), das 14h às 19h, na Rua Belo Horizonte, n. 1321, bairro Adrianópolis, e é um marco para cena teatral manauara, pois inaugura a sala de espetáculo ‘Ednelza Sahdo’, em homenagem à atriz e diretora conhecida como Dama do Teatro Amazonense.  Para a diretora executiva da Cia. Trilhares, Rafaela Margarido, o Domingo Cultural é um evento para toda família. “A programação acontece uma vez por mês e a ideia é juntar o teatro, canto, circo, artes plásticas em uma grande tarde envolvendo todos os públicos, tanto infantil, quanto adolescentes e adultos”, disse. Entre os espetáculos que irão se apresentar estão ‘O Palhaço de La Mancha’, da Cacompanhia, e ‘A Conselheira da Rainha’, encenada pelo núcleo de atores mirins da Cia. Trilhares.  Ainda na programação ocorrerão oficinas de slime, teatro, fotografia, maquiagem e acrobacia. O passaporte que garante acesso ao evento pode ser adquirido na sede da Cia. Trilhares e custa R$ 20. Confira abaixo a programação completa.   Programação Sala Ednelza Sahdo 14h às 16h – Oficina de Improviso 16h30 – Concurso de Cenas Curtas 18h30 – Espetáculo Palhaço de La Mancha Sala Maria Clara Machado 14h – Voz e Violão 15h30 – Música ao vivo com Teen Girls 16h – Espetáculo A Conselheira da Rainha Sala Silvia Orthoff 15h às 16h – Oficina de Slime 16h – Oficina de Criação de Personagens (Character Design) Serviço O que: Domingo Cultural na Companhia Trilhares Quando: Domingo, 02 de junho, das 14h às 19h Quanto: R$ 20 Onde: Sede da Trilhares (Rua Belo Horizonte, n. 1321, bairro Adrianópolis) Classificação:...

Leia Mais
Programe-se para 13ª Mostra de Teatro do Amazonas
maio21

Programe-se para 13ª Mostra de Teatro do Amazonas

A Federação de Teatro do Amazonas (Fetam) divulga a lista dos espetáculos selecionados para compor a programação da 13ª Mostra de Teatro do Amazonas, que neste ano conta com o apoio da Prefeitura de Manaus e Governo do Amazonas. Ao todo, oito espetáculos de grupos e artistas locais foram aprovados. A curadoria do evento foi realizada pelo presidente da Fetam, Tércio Silva, que atua na cidade como diretor artístico e produtor cultural, e Wallace Abreu, ator e diretor artístico amazonense. Para Wallace, a mostra apresentará ao público um misto de companhias e artistas já consagrados na cidade e uma nova geração de artistas que está despontando na cena local. “Será possível observar a renovação da cena artística teatral no Estado, por meio de projetos apresentados por grupos e artistas oriundos da Graduação em Teatro, ofertada pela Universidade do Estado do Amazonas,  e também contemplar o trabalho de diretores e atores que já possuem várias décadas de experiências teatrais no Amazonas”, pontua. De acordo com Tércio, esse ano o evento marca os 40 anos da entidade. “Essa é uma edição comemorativa, que marca os quarenta anos de atividades ininterruptas da Fetam, que é a entidade representativa da classe artística teatral. Além da apresentação dos espetáculos selecionados teremos ainda lançamento de livros, oficinas e homenagens a grandes nomes do teatro amazonense”, pontua Tércio. A programação completa do evento deverá ser divulgada ainda essa semana pela entidade. Confira a lista dos espetáculos selecionados! INFANTO-JUVENIL Aprovados - ALGODÃO DOCE - Cia Arte em Movimento Zona Cultural - INTERDITADO - Karine Magalhães - O PALHAÇO DE LA MANCHA - Cacompanhia de Artes Cênicas Suplente: MENINO TK - Grupo Jurubebas de Teatro ADULTO Aprovados - AMBROZHYA E OS PHANTASMA DA ARTE - Cia de Teatro Apareceu a Margarida - CAMINHÃO À GALOPE - Panorando Produções - HELENA - Ateliê 23 - QUANTAS HISTÓRIAS HABITAM SUAS MEMÓRIAS - Espatódea Trupe - QUARTO AZUL - Grupo Jurubebas de Teatro Suplente: FIM DE PARTIDA - Coletivo Experimental de...

Leia Mais
Boi Caprichoso realiza noite da galera oito vezes campeã do festival com Jr Paulain
maio16

Boi Caprichoso realiza noite da galera oito vezes campeã do festival com Jr Paulain

Incansável. Essa é uma das justificativas de nota 10 dada por um jurado para consagrar o oitavo título do item Galera e o bicampeonato do Boi-Bumbá Caprichoso, no 53º Festival Folclórico de Parintins. Essa hegemonia da nação azul e branca nos espetáculos é resultado da harmonia das torcidas oficiais da arquibancada com o boi na arena do Bumbódromo. Para render homenagem ao protagonismo do Item 19, o Caprichoso anuncia a noite temática da galera, no sábado, 18 de maio. Os primeiros 200 torcedores a entregarem um quilo de alimento não perecível, na portaria do curral Zeca Xibelão, vão ganhar um presente da galera campeã, o CD duplo Boi Caprichoso 2019 “Um Canto de Esperança para a Mátria Brasilis”. O ensaio show das torcidas Raça Azul e Força Azul e Branca (FAB) tem como atrações a Marujada de Guerra, os levantadores de toadas de curral, a participação especial de Júnior Paulain, o Corpo de Dança Caprichoso (CDC) e Troup Caprichoso. Os torcedores e sócios também concorrem aos sorteio de kits do Boi Caprichoso. Preparação para o Bumbódromo Os materiais de galera já são confeccionados por aderecistas, no curral Zeca Xibelão, em preparação ao espetáculo no 54º Festival Folclórico de Parintins, em busca de mais uma vitória consecutiva, tanto da galera, quanto do Caprichoso, na arena do Bumbódromo. Os gêneros alimentícios arrecadados serão destinados para as equipes de confecção de materiais de galera do projeto boi de arena 2019. Fotos: Pedro...

Leia Mais
‘Passarinho’ nos céus da Espanha
jul24

‘Passarinho’ nos céus da Espanha

É sobre esperança. A tentativa de ser livre em meio a uma sociedade cerceadora. Assim é o mote para o espetáculo ‘Passarinho’, nova produção do Coletivo Mona, solo com Leonardo Scantbelruy. A obra estará no encerramento do Encuentro Emergentes, que acontece essa semana, de 23 a 29 de julho, na Espanha. A participação partiu de um convite do próprio festival, que assina a co-produção do espetáculo. Em sua segunda participação no evento, Scantbelruy esteve presente no festival do ano passado com a obra “Recolon”, contemplada no edital ‘Conexões culturais’ de 2017 da Manauscult, e que deve entrar em circulação em Manaus no mês de outubro, passando por várias zonas da capital e também na área ribeirinha. Sequência direta do trabalho em performance que Scantbelruy desenvolve desde 2014 que já culminou na obra ‘Recolon’, ‘Passarinho’ traz novas abordagens tanto cênicas quanto temáticas. A principal é a introdução da técnica de tecido circense, que o artista estuda desde a graduação em teatro na Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e que atualmente é o foco de um trabalho com crianças que Leonardo desenvolve com crianças no Quilombo de São Benedito, no bairro Praça 14. Se em ‘Recolon’ os elementos cênicos remetiam ao solo e a raízes, no novo trabalho o intérprete busca as alturas. A maior parte do processo de criação e ensaios deu-se na Praça da Saudade, em uma árvore que já testemunhou inúmeras apresentações artísticas no local. E atualmente, antes da estreia, o artista desenvolve processo semelhante no Parque de Los Patos, na Mairena del Alcor, Sevilha. Quando morou em Porto Velho (RO), Leonardo Scantbelruy viu todo o processo de degradação socioambiental provocado pela construção das usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, e é perceptível o quanto isso reverbera em seu trabalho. Além da forte crítica a esses grandes empreendimentos em ‘Recolon’, há agora uma preocupação com a fauna  amazônica e com os seres deslocados pela ação humana. “Refleti sobre muitos aspectos, desde a questão do tráfico de animais até o deslocamento de algumas populações por conta de grandes empreendimentos. São reflexões que vêm desde os processos iniciais do ‘Recolon’ e pela circulação dessa obra também", revela Scantbelruy. ‘Passarinho’ conta ainda com a participação dos artistas Yara Costa (instrutora de áereo), Daniel Bonfim (músico), Daniel Braz (editor de som), Marcelo ‘Balaclavo’ Nobre (identidade visual), Elson Arcos (sonoplastia), Preta Scantbelruy (Figurino) e Mendes Auá (desenhos). Além da participação no Encuentro Emergentes, Leonardo Scantbelruy participa do processo criativo da intervenção urbana "Proyecto X" desenvolvida pelo coletivo Silere...

Leia Mais