Marcha da Maconha Manaus é neste sábado dia 25 de Junho
jun22

Marcha da Maconha Manaus é neste sábado dia 25 de Junho

Acabou a espera! E neste sábado tem a edição 2022 da Marchada Maconha Manaus, neste sábado, dia 25, a partir das 15h no Centro da cidade. Além da clássica caminhada, a programação também vai contar com oficinas, performances, exposições, apresentações musicais e DJ’s. A concentração terá início às 15h, na Praça da Saudade e às16h20 terá a caminhada iniciada pela avenida Epaminondas, segue pela rua 10 de julho, cruza a avenida Getúlio Vargas e finaliza na Praça Desembargador Paulo Jacob, também conhecida como Praça do BK. A Marcha é um coletivo autônomo e independente, o que significa que não temos patrocinadores ou recebemos dinheiro de algum órgão/empresa. É um movimento político, composto por coletivos e ativistas, que enxergam a necessidade de derrubar a política nacional de drogas e criar uma nova política que encare às substâncias como um objeto de saúde pública, deixando assim de se enquadrar no código penal.Nosso movimento se intensifica em meio ao avanço da ofensiva neoliberal, que aproveitou a crise gerada pela pandemia para aprofundar o desmonte das instituições brasileiras, nos colocando de volta a posição histórica de celeiro do mundo, enquanto exportamos toneladas de alimentos nossa população passa fome, por isso enxergamos a luta pela legalização da maconha como algo diretamente associado a luta pela terra e a luta por moradia, pois para plantarmos nossa erva precisamos de um espaço, seja em área rural ou urbana, não se cultiva maconha morando na rua e não se faz a cabeça de barriga vazia, exatamente por esses pontos que exigimos comida, emprego digno e moradia para todo o povo.Entendemos que o cultivo da maconha deve ser um direito de todas as pessoas que desejam e que não fique nas mãos das grandes corporações, democratização da maconha já! também exigimos a libertação imediata de todos que se encontram encarcerados por crimes relacionados às drogas, com reparação histórica, sobretudo ao povo negro, principal vítima da marginalização promovida pelos escravocratas e aqueles que os descendem. Por motivos racistas o Brasil foi um dos primeiros países a proibir a maconha e pelos mesmos motivos devemos servir de exemplo ao mundo na legalização, implementando um modelo que contemple as nossas históricas demandas sociais, pondo fim na guerra às drogas, que já se mostrou ineficiente em todo plano internacional, com seus diversos modelos aplicados. De volta às ruas Após dois anos sem mobilizações por causa da pandemia, a Marcha da Maconha Manaus volta às ruas da cidade em um grande ato popular e autônomo de luta por direitos e pelo fim da guerra às drogas que tanto assola nossa região de tríplice fronteira com surgimento de facções, disputa de domínio entre milícia...

Leia Mais
Arraial do Cauxi traz Chico César de volta à Manaus
jun21

Arraial do Cauxi traz Chico César de volta à Manaus

O Arraial do Cauxi está de volta e com novidades! A edição 2022 tem no line-up o cantor e compositor Chico César no próximo dia 02 de Julho, a partir das 19h no Assinpa – Clube do Inpa (Avenida da Lua, s/n Aleixo). Na abertura da festa e intervalos DJ Carol Amaral arrasta todo mundo pra pista pra dançar e exaltar a nossa brasilidade. A programação do Arraial do Cauxi segue com as bandas Alaidenegão, Casa de Caba e Antônio Bahia. Haja fôlego! A banda anfitriã Alaidenegão também sobe ao palco com lançamento do novo single intitulado Caminhar com gravação, produção independente, mixagem de Rafaela Prestes e masterização no Estúdio El Rocha. De acordo com Rafael Ângelo, guitarrista e produtor da Alaidenegão, a música simboliza a situação atual enfrentada pela banda. “Desde o início desse ano, tivemos mudanças que foram tão marcantes e significativas que nos fizeram pensar em parar as atividades mas a gente continua fazendo música e quer seguir com nosso trabalho”, acrescenta. Com a mesma sede de retorno, a Cauxi Produções articulou a apresentação em Manaus do espetáculo solo do paraibano Chico César. “Trazer o Chico (César) pro nosso Arraial é um sonho realizado. O público manauara merece assistir apresentações de artistas que representam legitimamente a nossa cultura e resistência artística”, defende Ângelo. Assim como todo Arraial que a gente gosta, a festa terá uma área de alimentação para comidas típicas e espaços instagramáveis pra deixar todos os convidados bem na foto. Os ingressos estão no primeiro lote, disponíveis na plataforma Sympla no valor de R$50. Na bilheteria do Arraial do Cauxi os ingressos estarão à venda a R$80 com a possibilidade de pagamento via cartão ou a vista. Chico César Nascido no município de Catolé do Rocha, interior da Paraíba, aos 16 anos foi para João Pessoa, onde estudou jornalismo. Aos 21 mudou-se para São Paulo, onde trabalhou como jornalista e revisor de textos. Lá, aperfeiçoou suas habilidades ao violão, multiplicou as composições e formou seu público. Atualmente, sua carreira artística tem repercussão internacional graças a canções dotadas de alto poder de encanto linguístico. Seu primeiro álbum foi lançado em 1995 e o mais recente, Estado de Poesia, saiu em 2015. Ao todo, o artista lançou oito álbuns. Em 2019, se encontra com Geraldo Azevedo e idealiza a turnê Violivoz, que foi adiada por conta da pandemia de Covid-19 e retomada em outubro de 2021. Ainda durante a pandemia, Juliette Freire, participante do programa Big Brother Brasil, da TV Globo, cantou a música “Deus Me Proteja”, do disco Francisco, forró y frevo, de 2008, na edição 2021 do programa, o que causou um aumento expressivo...

Leia Mais
Cacique Raoni recebe mural de Raiz Campos em Manaus
jun03

Cacique Raoni recebe mural de Raiz Campos em Manaus

O Projeto Megafone, em alusão ao dia mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, busca ampliar a voz de artistas ativistas em todo o Brasil, como o grafiteiro Raiz Campos que produziu um mural, no centro de Manaus, retratando a liderança indígena Cacique Raoni *Da Redação Em Manaus, a Arte e o ativismo se fortalecem para comunicar as emergências da região amazônica ao planeta, e o projeto Megafone, 1° prêmio de ativismo brasileiro, no mês do Meio Ambiente, busca provocar o debate sobre as mudanças climáticas em todo o Brasil, além de ampliar vozes de artistas que praticam o ‘artivismo’ (arte & ativismo), como o grafiteiro manauara Raiz Campos. O artista foi convidado pelo projeto Megafone para retratar a maior voz da luta dos Povos indígenas do Brasil, o Cacique Raoni, indicado ao prêmio Nobel da Paz em 2020. “O Megafone está Raonizando as cidades, e começaram por Manaus. Essa ação é para chamar atenção da juventude para uma data muito importante que é 5 de junho, o dia Mundial do Meio Ambiente”, explica o artista. Quem passa pelo centro de Manaus na rua 10 de julho, logo vai se deparar com o mural, de 19 metros por 4 metros, do Cacique Raoni, produzido por Raiz Campos, que contou com a assistência artística dos grafiteiros Ploris Baltazar e Fixo Ramon. “Tenho uma relação com os povos indígenas desde minha infância, tive contato direto com os Waimiri Atroari, na vila de Pitinga (AM), e isso reflete diretamente no meu trabalho, na minha arte, e é a minha cultura que retrato nos meus murais”, comenta o grafiteiro, conhecido no cenário de arte urbana por retratar a cultura amazônica nos viadutos. Homenagem à liderança indígena Para realizar o mural, o artista se reuniu com os netos de Raoni para que a pesquisa sobre a biografia da liderança fosse completa. “Foi muito legal começar o projeto me reunindo com os netos do Raoni, escolher a referência em conjunto com eles foi muito importante”. Para compor o mural, o artista usou a técnica a qual intitula de ‘psicoamazônico”, utilizando cores mais coloridas. “Sempre estou inovando, agora estou trazendo mais cores e elementos da floresta amazônica para minha arte”, explica o artista cujos traços e cores que retratam as belezas naturais e dá visibilidade aos povos indígenas é possível ser visto também em murais de várias outras cidades do Brasil. Prêmio de ativismo brasileiro O projeto Megafone é produzido pela Parede Viva e financiado pelo Vozes pela Ação Climática, tem parceria do  Pimp my Carroça, Greenpeace Brasil, Instituto Socioambiental, WWF,  Hivos, e Engaja mundo. Sobre Raiz Campos Raiz Campos é um jovem artista visual que impressiona o mundo com seus graffitis que representam a cultura amazônica. Já foi convidado para participar de eventos nacionais e internacionais para levar seu olhar sensível e estampar diversos lugares, ganhando destaque na mídia nacional e internacional. Em 2012, Raiz estava entre os seis grafiteiros que participaram da Pré-Bienal de Artes “Dos lápis de Di ao festim das Barrancas” que reuniu grandes expoentes das...

Leia Mais
Sábado tem Cabaré da Stone
jun01

Sábado tem Cabaré da Stone

O tão aguardado retorno da The Stone Ramos, a banda de brega mais incrível do Brasil guarda surpresas incríveis, nessa gravação de seu DVD! O Cabaret da Stone apresenta um show memorável com os clássicos do brega e as músicas da Stone em nova roupagem. Localizado num dos espaços mais exclusivos de Manaus, o Armazém XV, situado a beira do Rio Negro, no Porto de Manaus, o Cabaré contará com decoração temática, áreas instagramáveis, gastronomia,  drinks especiais e muita música boa! No line up, Dj Layla Abreu, Marcianas e muito mais! O Cabaret da Stone: do Brega ao Chic, promete ser uma experiência memorável!...

Leia Mais
Programação oficial do Arena Planeta Boi
maio28

Programação oficial do Arena Planeta Boi

Está tudo pronto para o duelo inédito de Caprichoso e Garantido na Arena da Amazônia. O Arena Planeta Boi levará toda a magia do Festival de Parintins ao público que for à Arena da Amazônia neste sábado (28/5). Como em Parintins, cada bumbá fará uma apresentação oficial para seus torcedores com a participação dos itens oficiais. Após um sorteio, foi definido que o Caprichoso será o primeiro bumbá a se apresentar. Mas não para por aí… O line-up está tão incrível que reúne artistas do eletrônico, música urbana e erudito. Confira a programação:19h: Marcia Novo Eletroboi;20h: Amazonas Jazz Band, com as participações de Márcia Siqueira e Mara Lima, 20h55: Gandhicats; 21h: Boi Caprichoso; 22h30: DJ Ítalo; 23h: Boi Garantido; 1h30: DJ Ítalo; 2h: Canto da Mata e convidados. Sinta ParintinsA venda de ingressos para o Arena Planeta Boi está sendo realizada pela internet (https://baladapp.com.br/a/arena-planeta-boi-manaus-am-28-de-maio-de-2022/2594); nas centrais Oba Ingressos, localizadas nos shoppings Millenium e Manauara; e na sede da Amazon Best, localizada na rua Nova Prata, nº 225, Vieiralves. Confira os valores:Pista Dabacuri – R$ 35Cadeira VIP Amo do Boi – R$ 105Área VIP Porta Estandarte – R$ 125Área VIP Cunhã Poranga – R$ 185Camarote Amazon Best – R$ 505 Outras informações podem ser obtidas por meio da call center da Amazon Best, nos números (92) 98269-0256, 99376-8133 e 99177-4825. Brindes digitaisNão bastasse levar todas as sensações que permeiam o Festival Folclórico de Parintins, o Arena Planeta Boi ainda apresentará ao público uma novidade que já é sucesso em todo o mundo: o NFT (sigla em inglês para token não fungível). A ação inédita será promovida pela Amazon Best que, como uma forma de eternizar os momentos vividos na Arena da Amazônia, brindará os torcedores dos bumbás com uma recordação digital do evento. ‘Uma noite em Parintins’ terá uma série colecionável de cinco NFT’s para quem adquirir os ingressos do Arena Planeta...

Leia Mais
Sessão Cineclubista: A Última Floresta
maio26

Sessão Cineclubista: A Última Floresta

A Última Floresta do Diretor Luiz Bolloguni abre a Sessão Cineclubista esta temporada no Vibrania Pub Espaço de Arte,  no dia 09 de junho, às 18h30 rua 10 de Julho, 151 – Centro. Com tema do debate – A luta dos povos tradicionais pelo direito em seus territórios. A seleção do material a ser exibido na retomada das atividades dos cineclubes fora para criar uma reflexão contemporânea da razão de existência dos povos indígenas e atual política de uso dos territórios e reservas existente no Brasil. Cineclubistas que juntos realizam atividades de cineclubismo na capital e Estado do Amazonas visando janelas de exibições gratuitas de materiais audiovisuais onde atualmente atuantes para o crescimento do formato cineclubista nas comunidades (urbanas e rurais). Em Manaus existem os Cineclubes Canoa (da extinta Associação de Cinema e Vídeo do Amazonas – ACVA), cineclube Baré e cineclube Dzi, além do Cineclube Alto Rio Negro de São Gabriel da Cachoeira (SGC) e juntos promovem atividades de exibição de produções audiovisuais das mais diversas como documentários, ficcionais e filmes experimentais afim de desenvolver e criar público para audiovisual juntamente com debates e reflexões que apenas o cineclubismo pode oferecer a seus participantes além do contato junto aos realizadores do audiovisual. O cineclubismo em Manaus está retomando suas atividades e buscando difundir o conceito e criação de novos pontos exibidores independentes pela capital e interiores onde o cineclubismo oferece não apenas a apreciação de filmes, mas oficinas de formação tanto para o cineclubismo quanto para aquele que deseje entrar no ramo do cinema sendo este um valorizador humano social graças ao formato democrático do cineclubismo. A escolha do material “A última floresta” do diretor Luiz Bologusi (2021. Doc. 78 min.) retrata de forma claro a luta destes povos contra a exploração de garimpeiros e porque não ampliar o debate para as questões da mineração e forma da rotina da vida indígena retratada no material a ser exibido no espaço pub e estúdio de artes – Vibrânia, localizada na rua 10 julho, 151 – Centro, onde este esta nos acolhendo para realização da retomada das atividades de cineclubismo em nossa capital. Esperamos em breve chegamos as comunidades rurais e interiores do Estado e criar novos cineclubes para que seja mais forte o conceito de cinema nas propostas voltada a valorização humana num todo ao acesso e janelas de exibição gratuita para aqueles que não podem ter acesso as salas de cinema comercial, sendo o cineclubismo uma opção cultural a todos. Nossas novas exibição envolveram ciclos de produções audiovisuais diversidades e principalmente a valorização dos realizadores do amazonas, além de oficinas de formação de novos cineclubistas que possam implementar...

Leia Mais