Prova da Farinha Ribeirinha anuncia finalistas
ago19

Prova da Farinha Ribeirinha anuncia finalistas

A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) anunciou, nesta quarta-feira, dia 18, as 10 pessoas que foram classificadas para final da “Prova da Farinha Ribeirinha”, competição gastronômica e digital que escolherá a melhor e mais criativa receita feita com farinha da Amazônia. A disputa tem premiação de R$ 1,5 mil para o primeiro colocado, R$ 1 mil para o segundo e R$ 500 para o terceiro. A chef Debora Shornik, responsável pelos restaurantes Caxiri e Biatuwi Casa de Quinhapira Mais de 40 pessoas de diversas partes do Brasil se inscreveram na disputa. As receitas classificadas foram escolhidas pelos chefs e jurados da Prova da Farinha Ribeirinha. Sendo 8 receitas de pessoas de Manaus, uma receita de um competidor do Pará e uma receita de uma participante de São Vicente, cidade no litoral sul de São Paulo. O proprietário da Cachaçaria do Dedé e do restaurante Terra & Mar, Dedé Parente, escolheu a receita de “Farofa de Pirarucu com banana, queijo e ovos”, feita por Bruno Maciel da Silva. A chef Debora Shornik, responsável pelos restaurantes Caxiri e Biatuwi Casa de Quinhapira, escolheu a receita de “Bolo Uarini”, da Carla Cristina Ferreira Zeni. O chef Marcus Pompeu, que atua na Casa de Comidas Zuzu, escolheu a receita de “Rocambole de Pirarucu recheado com Farofa de Castanha”, feita por Alberson Teixeira. O chef Guga Rocha, pesquisador, escritor e apresentador de TV Já o chef Guga Rocha, que também é pesquisador, escritor e apresentador de TV, escolheu a receita “Panrofa – Panquecas de Farinha de Mandioca”, feita por Jorge Augusto Abbade Pereira, do Pará. O chef Thiago Santana, do Ferrugem Rock Gourmet O proprietário do Ferrugem Rock Gourmet, o chef Thiago Santana, escolheu a receita “Capitão Uarini”, preparada por Willanir Silva Lima. O chef Felipe Schaedler, responsável pelo Restaurante Banzeiro, indicou a receita de “Pirarucu de Bikini”, da competidora Renata de Souza Paula. Veja Comer & Beber Manaus 2017 O chef Felipe Schaedler, responsável pelo Restaurante Banzeiro A sétima receita foi escolhida pelo chef Paulo Fortunato, responsável pelo restaurante Fish Maria. Ele indiciou a receita de “Pirãojambu”, elaborada por Horenilde da Silva Gomes, que mora numa comunidade do Lago do Acajatuba, Zona Rural de Manaus. O chef Paulo Fortunato, responsável pelo restaurante Fish Maria A receita de “Bolinho de Pirarucu com banana, empando na farinha ovinha”, da competidora Andrey Alves de Vasconcelos, foi a indicação da chef carioca Teresa Corção (presidente do Instituto Maniva Ecochef e Embaixadora da Cozinha Brasileira no Senac RJ). A chef carioca Teresa Corção (presidente do Instituto Maniva Ecochef e Embaixadora da Cozinha Brasileira no Senac RJ) Além dessas, a receita de “Cuscuz de Banana”, feita por Cristiane Caitano Medeiros,...

Leia Mais
Inscrições prorrogadas para a “Prova da Farinha Ribeirinha”
jul14

Inscrições prorrogadas para a “Prova da Farinha Ribeirinha”

A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) prorrogou até o dia 30 de julho o prazo para inscrição na “Prova da Farinha Ribeirinha”, competição gastronômica e digital que vai escolher o melhor e mais criativo prato feito com farinha da Amazônia. A disputa vai premiar com R$1,5 mil o primeiro colocado, R$1 mil para o segundo e R$500 para o terceiro. A Prova da Farinha é uma iniciativa da FAS, realizada em parceria com o Ministério Público Federal (MPF) e a Associação dos Moradores e Usuários da Reserva Mamirauá Antônio Martins (AMURMAM) para incentivar a produção da farinha da Amazônia, do tipo ovinha e mais conhecida como farinha do Uarini, apoiando produtores e agregando valor ao produto. A competição acontecerá totalmente online, permitindo a participação de pessoas de todo o país ou até de fora do Brasil. É dividida em três fases, a prova começa com as inscrições, até 30 de julho, quando a pessoa inscreve sua receita utilizando a farinha no site da FAS. Na próxima etapa, entre 1º e 16 de agosto, dez chefs de cozinha conhecidos por produzirem pratos com a farinha vão selecionar as dez melhores e mais criativas receitas. Na terceira fase, os selecionados devem gravar um vídeo preparando seu prato com farinha. O material será divulgado no site e redes sociais da FAS, onde, através de voto popular, serão escolhidos os vencedores. Para o Gerente de Empreendedorismo e Negócios Sustentáveis da FAS, Wildney Mourão, a iniciativa é uma oportunidade importante de gerar reconhecimento nacional ao produto amazônico tão especial. “Com a competição queremos incentivar o uso da farinha e que seja cada vez mais conhecida no Brasil. Queremos proporcionar um maior reconhecimento para um produto tão tradicional e especial em nossa região”, afirma. Wildney segue explicando sobre a importância da farinha para as comunidades ribeirinhas, que vai além da culinária. “A produção da farinha segue toda uma lógica produtiva alinhado às boas práticas sustentáveis, reforçando o envolvimento social no processo e contendo um diferencial comprovado para qualificar a oferta junto ao mercado. Além disso, segue os conceitos de valorização de produtos tradicionais da Amazônia, como cultivo e origem florestal, respeito ao meio ambiente, às populações tradicionais e seus territórios, comprovados por meio do selo ‘Origens Brasil’, que a Farinha Ribeirinha possui”, disse. Os chefs e jurados da competição são: o proprietário da Cachaçaria do Dedé e do restaurante Terra & Mar, Dedé Parente; Felipe Schaedler (do Restaurante Banzeiro SP/MAO, Moquem e Caboquinho), Thiago Santana (do Ferrugem Rock Gourmet), Debora Shornik (dos restaurantes Caxiri e Biatuwi Casa de Quinhapira), Elisângela Valle (do Tambaqui de Banda), Paulo Fortunato (do Fish Maria), Marcus Pompeu (Casa de Comidas Zuzu),...

Leia Mais
O “Tio da merenda” que o aluno aprovou na merenda escolar de Manaus.
mar08

O “Tio da merenda” que o aluno aprovou na merenda escolar de Manaus.

Cardápio apresentado pelo merendeiro escolar Bruno Raphael. Assim que assumi a atividade de merendeiro escolar, me perguntaram o porquê um chef de cozinha, gastrológo, mestre e professor universitário se submeteria a essa função? Com o início dessa nova jornada, algumas pessoas me perguntavam: “Você lava louça? Você lava panela?Você limpa chão? Você limpa freezer?” As receitas elaboradas pelo merendeiro escolar Bruno Raphael. E a minha resposta sempre foi a mesma: “Tenho maior orgulho do que faço, só Deus e minha colega de trabalho @cristinanascimento sabem o que realmente é a nossa função”. Levar alimentação saudável não é a única proposta dos merendeiros, mas também ouvir os alunos e saber do que eles gostam e tentar, de certa forma, mudar seu hábito alimentar e explicar a importância de cada alimento que utilizamos no preparo das refeições. A cartilha foi gerada a partir da aprovação do projeto junto a FAPEAM. E para todos eu digo: SIM, eu amo o que faço, SIM eu lavo louca, panela, chão, coifa, fogão; limpo freezer, organizo estoque e muito mais. Bruno Raphael, chef de cozinha, gastrológo, mestre e professor universitário, e o principal, merendeiro. Sou o merendeiro da Escola Estadual Deputado Josué Cláudio de Souza e por amor à profissão e aos meus queridos sobrinhos, porque assim que eu assumi a função fui batizado carinhosamente de: “TIO DA MERENDA”!...

Leia Mais
O mise en place do chef no Prêmio Dólmã 2021
fev23

O mise en place do chef no Prêmio Dólmã 2021

Atuo há 22 anos no segmento de alimentos e bebida, com passagens em diversas funções, de copeiro a chef de cozinha, em restaurantes renomados como o Chez Geroges, Bar & Café Lè Brasilien e Cassino Americano. Conto também com a experiência e disciplina que obtive como cozinheiro na Marinha do Brasil, chegando até a compor a equipe de preparações de pratos para a alta cúpula militar da Holanda. Possuo 06 anos como docente do Ensino Superior, lecionando em três Universidades de Manaus (FAMETRO, UNINASSAU e CIESA), além de módulos em Pós-graduação da UNIVEL (Cascavel-PR) e na FAMETRO (Manaus-AM). Sou servidor público do Estado do Amazonas contribuindo com a melhoria da merenda escolar. Desde 2012 faço parte de um grupo de pesquisa vinculado ao CNPq, com atuação em projetos de pesquisa e popularização da ciência envolvendo o reaproveitamento e a elaboração de novos produtos alimentares com ênfase nos insumos amazônicos. chef, docente, gestor e gastrólogo Bruno Raphael Leitão, candidato ao Prêmio Dólmã 2021 na categoria estadual Amazonas. Há 05 anos atuo também como empresário do ramo de alimentos e bebidas na empresa Bar e Restaurante Taberna 88, onde participo do gerenciamento e desenvolvimento do cardápio. Desde 2016 participamos do evento nacional Comida di Buteco, conquistando o vice-campeonato nesse mesmo ano. Tenho experiência na área da Gastronomia desenvolvendo linguiças, defumados e queijos artesanais, produtos da panificação e confeitaria, cozinha brasileira de raiz com foco na regional amazônica, ministrando aulas show em eventos gastronômicos (FIGA – Feira Internacional da Gastronomia Amazônica e MANAUARA CHEF) ajudando a difundir a gastronomia Amazônica Brasil a fora; e na Tecnologia de Alimentos realizo trabalhos voltados a análise se alimentos, análise sensorial, desenvolvimento de novos produtos alimentícios, analises microbiológicas e vida de prateleira. Atualmente venho prestando serviços de consultoria para estabelecimentos de A&B da nossa região. Clique aqui para votar no Prêmio Dólmã 2021 Print da página de votação dos internautas do Prêmio Nacional Dólmã – Categoria Estadual...

Leia Mais
Chef Bruno Raphael é indicado ao Prêmio Dólmã 2020
fev05

Chef Bruno Raphael é indicado ao Prêmio Dólmã 2020

Chef Bruno Raphael Difusor da gastronomia Amazônica o chef e professor de gastronomia Bruno Raphael é um dos indicados ao Prêmio Nacional Dólmã. A indicação aconteceu por juri popular e o resultado no final de Maio em Teresina-PI. Além de Bruno, estão concorrendo pelo Amazonas os chefs Alessandro Rodrigues (indicação do embaixador) e Ricardo Andrade Penha (vencedor do concurso profissional) . O PRÊMIO NACIONAL DÓLMÃ foi idealizado pelo Gerente de Projetos e presidente do Grupo Conforto Gastronômico, Geraldo Guerra Junior, em junho de 2013. A ideia surgiu após um estudo de mercado que identificou a existência de uma demanda reprimida a respeito de um modelo de premiação que, em um único momento, envolvesse profissionais de cozinha de todos os estados brasileiros, é a reafirmação, o reconhecimento e a valorização do trabalho e da dedicação dos profissionais que se destacam na área gastronômica e que contribuem para o aquecimento da economia brasileira. Prêmio DÓLMÃ Levando em consideração que o Prêmio Dólmã é nacional, foi instituído duas categorias para a premiação: Categoria Estadual que premia 01 Chef por estado entre os 03 Chefs concorrentes e a Categoria Nacional que premia 01 Chef Nacional entre os 05 Chefs concorrentes. As indicações acontecem por três vias: Comissão de Pesquisa, indicação popular (internautas) e Chefs premiados das edições anteriores. Prêmio DÓLMÃ Na manhã que antecede a Cerimônia de Premiação é realizado com os Chefs premiados da atual e das anteriores edições o Encontro Nacional de Chefs do Brasil. A proposta do encontro é a socialização e a troca de experiências entre os Chefs brasileiros. Na ocasião os Chefs indicados usam as vestimentas dólmã da premiação juntamente com os aventais com as bandeiras dos seus respectivos estados. Além do registro da foto oficial do encontro, há a participação em intervenções gastronômicas, oficinas, palestras e degustações. A Cerimônia Oficial de premiação é a concretização de todas as atividades desenvolvidas no período desde as pesquisas, passando pelas indicações, pelas votações e até o resultado final. Em homenagem ao dia do cozinheiro comemorado no Brasil na data de 10 de maio, a Cerimônia do DÓLMÃ é realizada todos os anos na última semana do mês de maio. A Cerimônia foi criada e estruturada para ser, em cada estado onde é realizada, um sistema agregador, possibilitando o encontro e a troca de experiências da gastronomia dos estados brasileiros com as artes, a moda, a cultura e o profissionalismo local. Chef Bruno Raphael Chef BRUNO RAPHAEL Mestre em Ciência e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Pará. Especialista em Vigilância Sanitária e Qualidade dos Alimentos e Panificação e Confeitaria (em andamento). Graduado em Gastronomia e graduando em Tecnologia dos Alimentos....

Leia Mais
Marimari promove noite de vinho e jazz
nov28

Marimari promove noite de vinho e jazz

Neste sábado (30), os amantes de jazz poderão desfrutar de uma experiência de boa música e alta gastronomia no restaurante Marimari, situado no Pátio Gourmet, na avenida Via Láctea, conjunto Morada do Sol. O espaço abre pela primeira vez suas portas à noite com o evento Jazz & Wine, a partir das 18h. Com condução do cantor Humberto Amorim, o palco recebe a sonoridade e os músicos de qualidade da banda All That Jazz, que é referência do gênero em Manaus. O pré-show será da banda Big Rose, que promete “esquentar” a noite na levada do blues. Para saborear, o cardápio elaborado pelo chef do restaurante, Marcus Pompeu, oferecerá um buffet de antepastos, com queijos, embutidos, azeitonas, entre outras iguarias, além da gastronomia da casa, que vai desde pizzas, massas, frutos do mar até pratos regionais. E, como descrito no nome do evento, o vinho também será uma das estrelas da noite, harmonizando com as delícias preparadas. A realização do evento é uma iniciativa do DiVino Club, projeto das empresárias Nicolle Loureiro e Marcia Takeda que atua na popularização da cultura vínica na capital amazonense, bem como na promoção de produtos, distribuidores, estabelecimentos comerciais e pessoas ligadas ao tema. “Com o Jazz & Wine, o restaurante Marimari se transformará em uma autêntica casa de jazz, garantindo aos fãs do gênero uma opção incrível para aproveitar a noite em Manaus”, destaca Nicolle Loureiro. Não será cobrada entrada ou couvert artístico no evento. O cliente pagará apenas o...

Leia Mais