Conheça o Keloide no DaVárzea das Artes

15369180_596032970521560_1290600441149647113_o

Keloide vem do nome biológico Queloide, uma cicatriz protuberante avermelhada e que geralmente incomoda por ser esteticamente indesejável. O evento de estreia será hoje, a partir das 21h no espaço cultural DaVárzea das Artes, no Parque Dez, em Manaus. O nome Keloide dá vez a um projeto que surge com a ideia de problematizar, trazendo na bandeira o diferencial de oferecer mais conteúdo cobrando menos.

Daí surgiu o conceito do Coletivo Keloidal formado por Rômulo Paixão, Amanda Zuany e Matheus Mady. De acordo com Rômulo, incluir minorias é uma das propostas "É uma desconstrução! Uma analogia com a resistência às opressões e ao que é colocado como feio e indesejável diante de uma cidade que ainda encontramos um muro conservador de festas branco-normativas", explicou o organizador que também garante uma nova pegada urbana modernizada.

15271935_591190947672429_340394575296524564_o

( Créditos - Keloidal )

O som da festa seguirá das vertentes da música eletrônica, onde podemos encontrar o estilo conhecido como techno industrial que prima pela utilização de ruídos, sons inesperados e estruturas antimelódicas (uso de fontes não-musicais, como sintetizadores e guitarras distorcidas, timbres metálicos, ruídos plásticos, sons de sucatas entre outros sons tirados de instrumentos "não-convencionais"). Junto com ele também entram o Dharma o som noise/synth de Moga. Continue lendo para saber mais sobre a programação. 

A ligação cultural com essa atividade é exclusivamente underground e vanguardista, sendo valorizados elementos da arte moderna como abstracionismo, dadaísmo e surrealismo, além de uma mentalidade contracultural.

15933946_1309600372436142_1796721086_o

DaVárzea das Artes (Local do Evento) - Créditos Equipe Picolé da Massa

O que rolar na pista ficará por conta de Dj sets e além disso também haverá a divulgação de trabalhos autorais de artistas locais como o projeto ARAM que é um duo eletrônico experimental. Ainda na trilha sonora tem o minimal techno Funkadona, ainda no comando do som MADY , também na pegada industrial/techno TVYRUS

performances de MAWÚ E UÝRA SODOMA, um trabalho audiovisual de Ellen Alencar que foi produzido especialmente para o evento, exposições do artista Francisco Ricardo e um Live Painting que em tradução livre significa Pintando ao vivo, pela artista Nadja Kristhina do Coletivo Golden Girls de Manaus.

15935487_1309600289102817_67240132_o

DaVárzea das Artes (Local do Evento) - Créditos Equipe Picolé da Massa

 " É muito importante também o espaço das mulheres no nosso evento, desde a responsável do espaço, até segurança, dj's, artistas... é um espaço sem preconceitos, homofobia, racismo, machismo, etc". (Rômulo Paixão, um dos fundadores do Coletivo Keloidal).

15935487_1309601189102727_214292428_o

DaVárzea das Artes (Local do Evento) - Créditos Equipe Picolé da Massa

O projeto Coletivo Keloidal, sendo novo, despretensioso nesse diferencial de desconstrução iniciou bem tímido. Porém para surpresa de Rômulo, ao apresentarem a proposta ganhou o apoio de alguns artistas que se identificaram com a ideia. Este primeiro momento, a dedicação está focada no ativismo do coletivo Keloide, futuramente não descarta a possibilidade de novos eventos ligados ao mesmo. Esperamos que o público, que já tem se portado bem interessado nas redes sociais ligadas ao evento, possa aderir a ideia e apoiar a cena. Se você também ficou interessado no evento, vale a pena dar uma conferida no DaVárzea das Artes hoje à noite a partir das 21:00 h.

" Keloide, reparo excessivo em resposta ao trauma. " 

Evento: Keloide

Local: DaVárzea das Artes ( Parque 10, Rua B, Casa 2. Conjunto Jardim Yolanda – Manaus. )

Horário: das 21:00 às 04:00

Ingressos: Até às 23:00  - R$10,00

A partir das 23h R$15,00

O local só aceita cartões no Bar, ( Débito  e credito MasterCard - elo, Visa, American Express ).

Info: (92) 3308-8778

Marcella Ladislau

Author: Marcella Ladislau

Estudante de Jornalismo, estagiária do Portal Xibé.

Share This Post On
468 ad
  • Amem! Queria estar ae para prestigiar, Manaus precisa de mais festas abertas e convidativas a todos, invés dos rolês padrãozinho que sao a grande maioria