A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 3]

Para finalizar este registro da nossa expedição pelo Alto Rio Negro. Aproveito para vender o "meu peixe", o  curso de “Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e o “Atendimento e Camareiro”. Neste caso, contribuiu para o aumento da qualidade dos serviços prestados e as suas ações focadas na qualificação e na gestão sustentável do efetivo do exército.

Com o aperfeiçoamento de profissionais no local de treinamento realizado orientei as equipes no aperfeiçoamento contínuo de suas competências, hoje requeridas para a entrega de serviços de qualidade.

No último dia do estágio realizamos o serviço de mise en place à brasileira e a inglesa indireta com o uso do guéridon para a proposta gastronômica de peixe para  500 militares, outro pedido do responsável pela cozinha – Moqueca de Surubim, para deixar o sabor da carne um pouco mais marcante, defumou parte do Surubim e na Moqueca resolvemos dar um toque do sabor Amazônico, colocamos tucupi preto com formiga (muito utilizado lá) e jambu.

Além  do toque picante com pimenta jiquitaia, também de São Gabriel da Cachoeira, fechando assim as aulas práticas e teóricas.

A despedida foi emocionante, todos comovidos e realizados diziam que tínhamos ensinado muito para eles, mas eu tenho a certeza de que aprendemos muito mais do que ensinamos!

Aproveitamos para ir até a feira local e experimentar o prato mais tradicional e antigo da região, o “KIÑAPIRA”, um peixe cozido apenas com pimentas regionais. Pensávamos em um prato extremamente picante, porém ao experimentar notamos que após segundos de forte ardor, o mesmo sumia deixando o sabor do peixe bem suave, um prato extraordinário pela sua simplicidade no preparo e complexidade no paladar. Acompanhado de dois beijus deliciosos, chega a manteiga derrete!

Kinapira

Paladar este que me remeteria a retornar a escrita no barco expresso e a continuar minha viagem de volta a terras manauaras, no exato momento em que o almoço é servido tendo como plano de fundo a exuberante floresta amazônica, sobremesas como doces de compota e frutas regionais que enriquecem o cardápio.

O Sol ressurge, a luz nos guia e a floresta abençoa, sirvam-se e um bom almoço a todos os ribeirinhos, caboclos, parentes e tudo pela Amazônia!

Rômulo Moreira

Author: Rômulo Moreira

Share This Post On
468 ad