Cultura Afro no Ilê de Camaradas neste final de semana

Mestre KK Bonates

Mestre KK Bonates

Nos dias 08 e 09 de agosto, será realizado em Manaus o evento “Ilê de Camaradas”, evento cultural de capoeira que será realizado pelas Escola Matumbé Capoeira, Escola de Capoeira Matinjalo e Escola Quilombo Capoeira. O evento tem como objetivo reunir os capoeiristas de Manaus e trará os contramestres amazonenses Angelo Capacete e Felipe Fofinho, que atualmente residem na Europa e difundem a cultura, tradição e técnica da capoeira aos europeus. As vagas são limitadas e os interessados investirão R$ 50,00 para a participação.

O “Ilê de Camaradas”, contará com uma programação de oficinas  e apresentação de grupos artísticos Maracatu Eco da Sapopema e Tambor de Crioula Punga Baré, durante o evento será lançado também o documentário Além-Mar, projeto realizado pela Escola Matumbé Capoeira e com a produção do italiano Giacomo Coppini (IVP – Italian Video Production).

De acordo com o mestre KK Bonates “O Projeto Além-Mar tem como objetivo fornecer informações de como o capoeirista brasileiro vê o desenvolvimento da capoeira em outros países e por tabela como patrimônio cultural da humanidade. O documentário é direcionado para a comunidade em geral, com particular destaque para capoeiristas, estudiosos e instituições sociais. Além-Mar mostra com a cultura da capoeira se enredou por terras estrangeiras e seduz o público internacional, utilizando um diálogo polissêmico e jogando o jogo das circunstâncias se espalhou pelo mundo às vezes ganhando, às vezes perdendo, mas sempre aprendendo a jogar”, explicou.

PROGRAMAÇÃO

08 de Agosto (sábado)

14h às 20h – Oficinas e Roda de Capoeira

Local: SESI – Clube do Trabalhador – Alameda Cosme Ferreira, São José I

09 de Agosto (domingo)

13h – Almoço

Foto de divulgação

Fofinho e Capacete

14h – Apresentação de Tambor de Crioula e Samba de Roda

15h –  Apresentação do Maracatu  Eco da Sapopema

16h –Grupo de Afoxé Guerreiros de Jorge

17h – Roda de capoeira

18h – Roda de conversa

Local: Travessa Boa Esperança ,22 – Crespo (Aterro do 40, entrando pelo HSBC na AV. Presedente Costa e Silva, próximo do Campo do Luzitania).

Sobre a Escola de Capoeira Matumbé 

A escola foi criada há mais de 5 anos, aqui em Manaus, pelo Mestre KK Bonates (como é conhecido Luiz Carlos de Matos Bonates, que possui mais de 45 anos dedicados à capoeira). E, como criamos laços de família, sigo divulgando a capoeira e todo o contexto que ela carrega de forma intrínseca”, diz  o Contramestre Ângelo “Capacete”.

Em Manaus, a Escola de Capoeira Matumbé está sob a direção do presidente da mesma, o Mestre KK Bonates, o qual realiza aulas de segunda a quinta-feira, das 18:00 às 20:00, na Fundação Vila Olímpica de Manaus. As aulas estão abertas para crianças, jovens e adultos.

Difusão da cultura Afro-Brasileira para a Europa

Os contramestres amazonense Ângelo dos Anjos Oliveira “Capacete” e Felipe Barbosa de Oliveira “Fofinho”,  envolvem atualmente  nas cidades de Roma-Itália e Barcelona-Espanha, cerca de 100 pessoas, de ambos os sexos e diversas idades, em um universo cultural eminentemente afro-brasileiro.

Para a interação com os europeus, os contramestres usam como conteúdo em suas aulas a língua portuguesa, música, dança, luta e história do Brasil. Embora com residência fixa em Barcelona e Roma (Felipe “Fofinho” e Ângelo “Capacete” respetivamente), os amazonenses não deixaram de desenvolver ao longo dos últimos anos trabalhos e projetos em outros países, como sendo Jamaica, Coreia do Sul, Cabo Verde, Alemanha, Inglaterra, França, Finlândia, Islândia, Suécia, entre outros lugares.

“Uma das coisas que mais chama a atenção dos estrangeiros é a forma como o povo brasileiro consegue facilmente apresentar um sorriso no rosto. É certo que a música, desempenha um papel importantíssimo nestas esferas culturais, como é o caso do batuque da Capoeira e do samba”, diz Felipe.

Nas aulas, o uso da língua portuguesa é obrigatório. Os professores, cientes de que a capoeira é reprodutora de uma cultura, dizem que os iniciantes recebem orientações básicas do idioma. “Para os espanhóis e italianos é relativamente fácil o aprendizado do português e se torna até estimulante para eles a necessidade de cantar e entender o significado das músicas, por exemplo. A capoeira tem sido uma grande aliada na divulgação da nossa língua pelo mundo. Hoje presente em mais de 150 países, a Capoeira foi finalmente tumbada como Património cultural Imaterial da Humanidade”, em 2014 pela UNESCO, diz Ângelo.

Foto de divulgação Capacete

Angelo Capacete

O espírito de coletividade, também característico do Brasil, é uma constante nas aulas de Capacete e Fofinho. “Para eles, vem sendo muito diferente essa interdependência durante o aprendizado, uma vez que todos participam ao mesmo tempo do treinamento, seja “jogando” (movimentação propriamente dita da capoeira), seja acompanhando a música, por exemplo. Na Capoeira precisamos uns dos outros para construir o ritual e os momentos, e serve como exemplo de valor humano a integração, socialização e compreensão e exercita respeito ao próximo”, afirma Ângelo.

Da mesma forma como os ancestrais negros faziam, sobretudo os povos escravizados, todo o conhecimento cultural repassado nas aulas de capoeira são transmitidos oralmente, sem o uso de instrumentos didáticos convencionais. Na cultura da Capoeira, lembrar é viver.

“Apresentamos a história do Brasil sob a ótica dos negros e índios, contadas de geração a geração. Não é a mesma história oficial contada nos livros das escolas, onde aparece, por exemplo, a princesa Isabel assinando uma lei abolicionista, como se fosse um passe de mágica. Contamos o que os nossos povos viveram e como sobreviveram, os atos de bravuras e as heranças culturais que nos foram deixadas e que hoje representam a estrutura da cultura brasileira. Sabemos que a Europa passa, nos tempos de hoje, por uma crise nos diversos sectores de atividade, porém nós estamos há 500 anos em constante crise, sobretudo de identidade cultural”, enfatiza Ângelo.

Para Capacete e Fofinho, esse conjunto de informações tende a diferenciar o que se acostumou a vender o nosso país para o mundo. “Parece mentira, mas falar de Brasil em certos lugares é ainda sinônimo de mulheres bonitas e com poucas roupas, festa, futebol, (o que não é totalmente errado). Contudo, chega a ser incrível, mas na concepção de muitos estrangeiros, parece que no Brasil não existe nada mais do que isso. É neste ponto que a Capoeira desempenha um papel de destaque, pois através dela conseguimos levar uma outra perspectiva do nosso Brasil, onde deixamos de ser meramente vistos como professores de capoeira e sim como agentes culturais”, diz Capacete.

Contramestre Ângelo “Capacete”

Ângelo dos Anjos Oliveira, brasileiro, nascido em 08/02/1983, na cidade de Manaus-Amazonas, mas conhecido na capoeiragem como “Capacete”, descobriu o universo da capoeira com 12 anos de idade e é um dos discípulos do Mestre KK Bonates.

Foto de Divulgação Felipe Fofinho

Felipe Fofinho

Em 30 de setembro de 2012 recebe o título de Contramestre pela Escola Matumbé Capoeira. Em sua carreira profissional desenvolveu trabalhos no Brasil, Corea do Sul, Jamaica, Islândia, Espanha e Itália. Realizando e participando de várias oficinas, palestras, shows, festivais culturais no Brasil e no exterior.

Em 2006 chegou em Kingston-Jamaica e ajudou a implantar a Escola Cativeiro, sendo um dos pioneiros na ilha Caribenha onde ajudou a difundir a Capoeira. Foi Diretor e fundador da ONG Capoeira Afalia. Desde 2009 Contra
mestre Ângelo Capacete, é diretor e coordenador da Escola Matumbé Capoeira na Europa.

 

Contramestre Felipe “Fofinho”

Felipe Barbosa de Oliveira, nascido dia 30/10/1977 na cidade de Coari, Amazonas, Brasil. Teve seu primeiro contato com a capoeira em 1989 na cidade de Manaus-AM. Em 2006, Felipe entra no Grupo Cativeiro Capoeira, em Manaus-AM coordenado pelo Mestre Kk Bonates. Em 2007 chegou em Kingston-Jamaica e ajudou a implantar o Grupo Cativeiro, onde ajudou a difundir a Capoeira na ilha Caribenha. Em 28 de setembro de 2014, Felipe recebe o título de “Contramestre” pelas mãos do M. Kk Bonates. Atualmente o Contramestre Felipe “Fofinho”, é diretor e coordenador da Escola Matumbé Capoeira na Espanha, desde 2013 desenvolve trabalhos socioculturais na cidade de Barcelona-Espanha.

Author: Carla de Paula

Share This Post On
468 ad