No mundo de hoje é possível erradicar fome?
jul25

No mundo de hoje é possível erradicar fome?

Erradicar a fome e a insegurança alimentar, bem como assegurar a agricultura sustentável e a gestão de recursos naturais, são pilares centrais dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e um pré-requisito para a realização de toda a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. A FAO desempenha um papel importante na medição do progresso em direção à sua realização. A evidência mais recente disponível para esses alvos, no entanto, apresenta um quadro sombrio. O mundo não está no caminho certo para atingir a esmagadora maioria das metas de ODS relacionadas à agricultura sustentável, segurança alimentar e nutrição. Quatro anos na Agenda 2030, a regressão é a norma para quase todos os indicadores relacionados, com apenas algumas áreas refletindo algum progresso. O número de pessoas subnutridas no mundo tem crescido desde 2015 e está de volta aos níveis observados em 2010-2011. Em outras palavras, mais de 820 milhões de pessoas ainda estão com fome hoje. Os produtores de alimentos em pequena escala enfrentam desafios desproporcionais no acesso a insumos e serviços e, como resultado, tanto sua renda quanto sua produtividade são sistematicamente menores em comparação com os maiores produtores de alimentos. Cerca de 60% das raças de gado locais estão em risco de extinção nos 70 países que tinham informações sobre o estado de risco, enquanto o estatuto de risco permaneceu desconhecido para dois terços do total das raças locais de gado em todo o mundo. Apesar desta situação, menos de um por cento de um total de  7.760 raças locais de gado no mundo têm material suficiente armazenado permitindo que a raça seja reconstituída em caso de extinção. A conservação de material genético vegetal está um pouco melhor; Nos oceanos, estima-se que um terço do peixe seja sobreexplorado, com a fração mundial de peixes marinhos em níveis biologicamente sustentáveis ​​caindo de 90% em 1974 para 66,9% em 2015. No entanto, cerca de 30% dos países ainda têm um registro baixo ou médio de implementação dos principais instrumentos internacionais que combatem a pesca ilegal, não declarada e não regulamentada, enquanto cerca de 20% dos países têm um registro baixo ou médio de implementação dos principais instrumentos para promover o acesso de pescadores de pequena escala a atividades produtivas, recursos, serviços e mercados. Entre 2000 e 2015, o mundo perdeu uma área de floresta do tamanho de Madagascar, embora a taxa de desmatamento pareça estar diminuindo. Durante o período 2016-2017, os altos preços gerais dos alimentos afetaram mais de um terço dos países em desenvolvimento, um em cada quatro países da África e da Ásia Ocidental, e um em cada cinco países da Ásia Central e do Sul. Muitos desses problemas provavelmente...

Leia Mais
Festival Brasil Sabor – Entrada, principal e sobremesa!
maio15

Festival Brasil Sabor – Entrada, principal e sobremesa!

O Brasil é um País marcado por sua diversidade gastronômica. Para celebrar isso, o Festival Brasil Sabor dá início a sua 14º edição sob o tema nacional ‘’Original do Brasil’’. Para o concurso, cada um dos 16 restaurantes participantes projetou os seus temperos e ingredientes para que os pratos ficassem tipicamente brasileiros. Cada Estado brasileiro adota uma categoria dentro da temática nacional. No Amazonas, o subtema da vez é a Edição Especial Combos, onde todos os participantes oferecerão combos (entrada + prato principal + sobremesa) com preços especiais (30% de desconto) nos 18 dias de festival – tudo para que os degustadores tenham uma experiência gastronômica mais completa. O Festival Brasil Sabor é considerado o maior festival gastronômico do planeta e é realizado pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel). No Estado, o evento seguirá, a partir de sua data de lançamento, até o dia 2 de junho. Para o público que quiser conferir as delícias do concurso, é simples: basta se dirigir ao estabelecimento participante de sua preferência e consultar qual o prato inscrito no festival. Aos degustadores que quiserem ter uma visão mais ampla dos pratos e restaurantes disponíveis em Manaus inscritos na competição, basta acessar o site www.brasilsabor.com.br, que traz a lista completa dos 19 Estados, 39 cidades e 324 restaurantes que integram a competição. ‘’O Brasil Sabor é um festival nacional que tem como objetivo não só levantar as vendas nos estabelecimentos de alimentação fora do lar, mas sim em mostrar a diversificação da gastronomia regional cada vez mais como um case de sucesso de nossa região. É muito importante estabelecermos essa interação com o público em geral para que possamos desenvolver, cada vez mais, a melhoria do conjunto para com o estado e o restante do Brasil’’, afirma Zeina Russo, presidente da Abrasel. Pratos O desafio da 14ª edição do concurso foi aceito pelos estabelecimentos amazonenses, fazendo com que cada unidade caprichasse bastante em cada prato. O restaurante Caboclo Culinária Amazônica, por exemplo, criou o prato Aruanã Cabocla, cujo combo possui uma entrada com Bolinho de Dourado, e sobremesa de Cheesecake de Cupuaçu. A Cantina Ghiotto caprichou no Ravióli de Pato em espelho de Tucupi e Jambu, servindo a Bruschetta Ghiotto na entrada e um Calzone mini recheado com Chocolate de Avelã e Cupuaçu. O restaurante Capotira – Artes e Sabores da Amazônia inscreveu no concurso o Risoto Yanomami, cuja entrada é um Dadinho de Tapioca com um melado de Pupunha, e a sobremesa é um Sorvete de Café com ‘Nibs’ de Cacau e Castanha. Já o restaurante El Dino Mexicano leva à competição um Burrito Amazônico, com Super Nachos de entrada e Sanduíches...

Leia Mais
A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 3]
abr28

A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 3]

Para finalizar este registro da nossa expedição pelo Alto Rio Negro. Aproveito para vender o "meu peixe", o  curso de “Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e o “Atendimento e Camareiro”. Neste caso, contribuiu para o aumento da qualidade dos serviços prestados e as suas ações focadas na qualificação e na gestão sustentável do efetivo do exército. Com o aperfeiçoamento de profissionais no local de treinamento realizado orientei as equipes no aperfeiçoamento contínuo de suas competências, hoje requeridas para a entrega de serviços de qualidade. No último dia do estágio realizamos o serviço de mise en place à brasileira e a inglesa indireta com o uso do guéridon para a proposta gastronômica de peixe para  500 militares, outro pedido do responsável pela cozinha – Moqueca de Surubim, para deixar o sabor da carne um pouco mais marcante, defumou parte do Surubim e na Moqueca resolvemos dar um toque do sabor Amazônico, colocamos tucupi preto com formiga (muito utilizado lá) e jambu. Além  do toque picante com pimenta jiquitaia, também de São Gabriel da Cachoeira, fechando assim as aulas práticas e teóricas. A despedida foi emocionante, todos comovidos e realizados diziam que tínhamos ensinado muito para eles, mas eu tenho a certeza de que aprendemos muito mais do que ensinamos! Aproveitamos para ir até a feira local e experimentar o prato mais tradicional e antigo da região, o “KIÑAPIRA”, um peixe cozido apenas com pimentas regionais. Pensávamos em um prato extremamente picante, porém ao experimentar notamos que após segundos de forte ardor, o mesmo sumia deixando o sabor do peixe bem suave, um prato extraordinário pela sua simplicidade no preparo e complexidade no paladar. Acompanhado de dois beijus deliciosos, chega a manteiga derrete! Paladar este que me remeteria a retornar a escrita no barco expresso e a continuar minha viagem de volta a terras manauaras, no exato momento em que o almoço é servido tendo como plano de fundo a exuberante floresta amazônica, sobremesas como doces de compota e frutas regionais que enriquecem o cardápio. O Sol ressurge, a luz nos guia e a floresta abençoa, sirvam-se e um bom almoço a todos os ribeirinhos, caboclos, parentes e tudo pela...

Leia Mais
A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 2]
abr26

A Gastronomia Ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira [parte 2]

O tempo nublado acalmou o Sol, vejo no horizonte a selva em camadas de tons verde, pássaros cruzam o rio em vôos rasantes a espreita de sua próxima alimentação, enquanto ribeirinhos pescam também a procura de sua alimentação, sincronizados e voltados para a Gastronomia todos se conectam através do comensalismo, da cultura em alimentar-se em grupos, em produzir o seu próprio alimento através de suas técnicas ancestrais assim como o sabor da iguaria que emana da panela para a refeição no barco expresso e logo será servida pela equipe de serviços que como uma boa brigada realiza o mise en place com qualidade e padronização, sinônimos estes que seriam agregados a outros pelo real motivo de minha viagem a São Gabriel da Cachoeira, distante 856 km ou 532 milhas ou ainda 462 milhas náuticas de Manaus, onde se encontram além da paisagem “a Bela Adormecida”, as comunidades indígenas Puranga Pesika e Añunti Atiati Mhüsã, a Ilha do Sol e há também o nosso contratante, representado pelo Exercito Brasileiro. E no período de 25 a 29 de março, os militares do Setor de Aprovisionamento da 2ª Brigada de Infantaria de Selva, do Hotel de Trânsito de Oficiais e do Hotel de Trânsito de Subtenentes e Sargentos, realizaram o estágio de "Cozinha Regional e Segurança Alimentar"  e o estágio de  "Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e “Atendimento e Camareiro". O estágio de “Cozinha Regional e Segurança Alimentar”, que teve por objetivo aumentar o nível de excelência do serviço apresentado pelos militares do Setor de Aprovisionamento, foi ministrado pelo Chef. Marco André Gomes de Souza, tendo como últimos investimentos Pós Graduação em Gestão Gastronômica, Pós Graduação em Segurança Alimentar, Empretec e o estágio no qual foi ensinado as técnicas de cozinha industrial, as boas práticas de alimentos, as técnicas de comidas regionais brasileira, e o peixe assado na brasa. O estágio tem a chancela da ABRASEL – Associação Brasileira de Bares e Restaurantes e com isso entregamos aos participantes o Selo de Peixe na Brasa do Amazonas. Já o estágio de “Tipologia de Serviço – Garçom Básico” e o “Atendimento e Camareiro” foi ministrado pelo Chef. Rômulo de Araújo Moreira, tendo também como últimos investimentos Tecnologia Superior em Gastronomia pelo Centro Universitário Fametro e apresentou aos militares do Hotel de Trânsito de Oficiais e Hotel de Trânsito dos Subtenentes e Sargentos da Guarnição de São Gabriel da Cachoeira as normas técnicas de Camareiro Hoteleiro e as suas atribuições, assim como a Palestra realizada no auditório sobre Hospitalidade e Hotelaria, enquanto que no Cassino (refeitório, rancho) ministrou o estágio em “Tipologia de Serviços – Garçom Básico” com a programação elaborada na rotina da manhã com aulas teóricas e à tarde...

Leia Mais
A gastronomia ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira
abr25

A gastronomia ancestral Amazônica em São Gabriel da Cachoeira

E a silhueta está de perfil, magnífica imagem da natureza que nos recebe com sua receptividade familiar como as suas comunidades indígenas que assim como o índio Ararigbóia, são ancestrais. Horizonte em que o verde nos apresenta com os seus 50 tons de selva em suas copas robustas de deixar qualquer arranha-céu sentir-se como uma construção do canteiro de obras. A viagem de barco expresso é algo único que todo gastrônomo deveria experimentar tipo os sabores e iguarias que essa terra produz. À beira do rio cortinas de água envolvem as árvores, praias surgem em meio à selva amazônica. Emerge um boto cinza, um canoeiro atravessa o rio calmamente como se o mesmo fosse o abstrato da paisagem. Ao mesmo tempo que os passageiros com seus mochilões multicoloridos, multifuncionais e proparoxitonais familiares do Norte do Brasil, tem seu destino, seu job ou serviço a ser prestado com excelência, há também vários barcos e embarcações atracados e com seus ribeirinhos a pular, a pescar e a nadar nesse majestoso Rio Negro, ou melhor, Alto Rio Negro, com suas inúmeras e enigmáticas pedras ancestrais assim como a sua Gastronomia Amazônica... E sim! – Havia, sim, pedras em meu caminho! Ao observar atentamente vejo que são imensas as rochas e os minerais com seus designs majestosos, imensuráveis e intocáveis assim como essa parte da floresta, com seu caminho cortado pelo nosso barco expresso, ficando para trás todo o respeito e zelo pela floresta, e sim nesse momento respiro água e sim os ribeirinhos sabem viver e sim há botos cinza enormes também no Alto Rio Negro, este mesmo rio calmo e silencioso onde apenas ouve-se o barulho do motor do barco expresso, um longo e reluzente tapete negro nos rodeia, e mais rochas ancestrais e mais botos cinza, do lado esquerdo tempo de chuva no horizonte e ao lado direito já não há cortinas de água elas agora dissipam e parece fumaça fazendo a floresta respirar e inspirar novas propostas gastronômicas que este chef Rômulo Moreira, vos relata. Incomparável tal beleza de seus rios, e sim há morros, serras e montanhas no Alto Rio Negro, a cada novo emaranhado de floresta e rio há cocção na cozinha do barco expresso afinal este também é um artigo gastronômico. Cardápio do almoço: carne guisada acém, com arroz branco, feijão completo, macarrão e legumes a vapor (cenoura, brócolis e couve-flor) na cozinha que mais lembra um closet de um loft na Avenida Paulista. Nós gastrônomos nos adaptamos em quaisquer lugares e situação que nos insere. Afinal estamos aqui para levar a promoção da saúde e a recuperação da mesma também na Gastronomia. E a cada desvio das rochas e minerais ancestrais...

Leia Mais