O que você precisa saber sobre a música alternativa de Manaus
jan31

O que você precisa saber sobre a música alternativa de Manaus

Fui desafiado a escrever em 100 linhas sobre a cena alternativa de Manaus. Meu primeiro pensamento foi:  O que é “cena alternativa”? Quando penso na palavra alternativa o que me vem a cabeça é alternativo à algo ou alguém. O conceito de alternativo no dicionário diz o seguinte: adj. Que se diz, faz ou ocorre com alternação. Que se pode escolher em vez de outro: caminho alternativo. Mec. Que se move com regularidade ora num sentido, ora no outro: movimento alternativo. Corrente alternativa.   Pois bem. Em Manaus o que seria considerado o “mainstream” seria o Forró? O pagode do Copa O POP? Penso estar na hora de mudarmos esse cenário. Não mais ser reconhecidos como a alternativa do entretenimento. Somos um movimento autoral e de vanguarda que prega o que sente e produz cultura real. Uma leitura verdadeira do momento atual com conteúdo que precisa ser discutido. Ai me pergunto: E as Bandas Autorais com o conteúdo literário-poético do momento atual? Existe muita qualidade no que diz respeito aos músicos da cidade. Existe no Amazonas e nas pessoas que aqui habitam, o que eu chamo de “ancestralidade musical”. Os tambores e os sons da mata ecoam na mente antepassada dos artista locais. Tem muita gente talentosa aqui, ao mesmo tempo, vejo que tem muito desperdício de dinheiro publico quando estas bandas não estão nos editais. Salvam algumas exceções que já estão se atentando a isso, se for comparar com o Teatro, por exemplo, os atores e companhias só existem com esses financiamentos. Cabocrioulo, Johnny Jack Mesclado, Alaide Negão, Ayahuasca, Selva Madre, Casa de Caba, Infâmia, Dona Celeste, Cordão do Marambaia, Marcelo Nakamura,  Supercolisor, João Pestana, Luneta Mágica, Tribo Zagaya,  são alguns dos exemplos de bandas autorais/independentes/ que pra eu, na minha cabeça viajada, já deveriam ser sucesso nacional. Interpretes como Márcia Siqueira, Hêmilly Lira, Anne Jezine, Elisa Maia e Márcia Novo que são guerreiras que aqui mesmo procuram seus compositores valorizando o que é nosso. Fabricado na Zona Franca de Manaus. Ah se tivesse 1% do incentivo da Zona. Mas sim. O que eu sei que existe é uma “pseudo” barreira que distancia a Amazônia do Brasil. Artistas que se autofinancia com dinheiro de profissões “alternativas” à musica. Essa BARREIRA tá na cabeça dos “mercenas” daqui. Mas isso já está mudando. O caminho é longo e a gente tem que aproveitar a caminhada. Se você não conhece nenhum desses artistas e é manauara. Tá “por fora” muleque! Jovem inocente você. Mas tá: E a Cena Eletrônica? Existe? Há quem diga que DJ não é artista. Discordo. Já pensou em quanto um DJ ruim pode arruinar sua noite?¿ Se...

Leia Mais
Sonora: experimental, eletrônico e novo!
dez01

Sonora: experimental, eletrônico e novo!

Sonora!  Pra quem curte som de verdade, nesta sexta-feira (04) a partir das 20h no Mao Hostel Essa noite vai ser inacreditável. Eu toco pela primeira vez com os sopros do Markito da Alaide.O Raphael Pad vai fazer sua primeira apresentação live com synths e push.O Halley vai tocar pela primeira vez com a percussão do Fabrizio Merlotti. MAO Hostel & Bar. estreia novo layout. Vários cabaços numa mesma noite. Vem com a gente. Musicalidade em alto nível. Ingresso:...

Leia Mais
Floresta Encantada 2015: 10 anos de dedicação a musica e ao meio ambiente
nov04

Floresta Encantada 2015: 10 anos de dedicação a musica e ao meio ambiente

Há 10 anos tudo parecia conspirar a favor do primeiro ano do Festival Floresta Encantada. Em 2006, nesse mesmo dia de hoje, 14 de outubro, comemorava se o lançamento do primeiro disco e o primeiro ano da Ayahuasca Banda, o aniversário do então baixista Marcos Cileno Falcao e do vocalista e compositor da banda Yuri Reis. Na primeira formação da banda, contava com Agostinho Guerreiro, Laucimar De Larua (Da Lua), Michel Marques, Analucia e várias participações (me perdoem se esqueci alguém). Era tudo festa e essa galera fazia além de muito som, muita bagunça no palco. Entre prancha rasta, vocalista de muletas, gorros de duendes, fadas e cogumelos (de isopor tá gente) a banda já apresentava um diferencial: irreverência. Nessa primeira edição participaram as bandas O Cãibra de Gabriel Lobo ,Banda Johnny Jack Mesclado, Linha Rasta, Jamaomanau e BR Roots antiga banda de Bruno Santos. O cenário mudou muito de lá pra cá mas os atores são os mesmos. Salve todos os músicos que dedicam a vida a arte e a passar uma mensagem positiva para os fãs.Com canções que cantam a preservação da floresta, a cultura indígena e uma pitada de critica social/política o Festival Floresta Encantada passou por 10 anos mantendo a sua ideologia e discurso sem perder a pegada Amazônica e sem esquecer que fez parte dessa história. Gratidão a quem sempre apoia e valoriza a cultura amazônica. Vem com a gente! Junte-se ao lado VERDE da força. PROGRAMAÇÃO 2015 Data: 07 de novembro 2015 - Sábado Local: Ao Mirante Espaço Cultural – Rua Padre Agostinho Cabaleiro Martins, 287 – São Raimundo Hora: 21:00 Valor: 2º Lote 25,00 (estudante antecipado) Pontos de Venda: MAO Hostel – Barroso, Centro & Revolution Tabacaria e Headshop – Ladeira do Mindú, Parque 10 de Novembro Vendas On Line: www.ingresse.com/florestaencatada2015 (2º Lote R$ 25,00 + R$ 2,50 de taxa) Atrações confirmadas: Ayahuasca - Rio de Janeiro/Amazônia Dub Ataque Sound System - Rio de Janeiro Selva Madre - Amazônia/AM Canhamukaya- Amazônia/AM DjMc Fino - Amazônia/AM Mestre de Cerimônia - Marcelo Ipanema Trance Forest – Pista Eletrônica Dj Korea (Progressive) Dj Visiohm (Progressive) Dj Peter Cash (Minimal Tech) Dj LSBill (Progressive) Dj Piló (Full Ohm) Dj Nixon Hero (Progressive) Parece que foi ontem mas se passaram 10 anos. Isso mesmo, 10 ANOS!!!! Em seu primeiro ano a pretensão era mostrar o cenário de bandas independentes que fervia época, onde se formava uma cadeia produtiva da cultura com novos atores e novas composições. Hoje o evento é (com muito esforço) parte do calendário da cidade e este ano vamos ampliar os horizontes da musica local e acrescentar ingredientes ao evento que já é símbolo...

Leia Mais