A formiga só trabalha porque não sabe cantar
set03

A formiga só trabalha porque não sabe cantar

Tudo funciona, tudo! É fantástico como elas conseguem se organizar. É lindo! Cada uma faz a sua parte e tudo dá certo. Pelo menos quase sempre. De vez enquando algum predador esperto e especialista acha a fonte. Mas cada uma sabe exatamente o que fazer. Cientistas já descobriram até que espécies de formiga criam “gado”. Você já imaginou como isso é incrível? Elas criam pequenas pulgas pra extrair algo que elas usam como leite. As formigas são mesmo incríveis. E também usam agricultura. Um processo que até agora só sabemos que ocorre em mais dois animais – além de nós e as formigas: besouros e cupins. As formigas também têm um tratamento especial com os mortos, a exemplo dos elefantes, e do homem, claro. Vejam bem, como elas são incríveis né? Deve ser boa a vida de uma formiga? Depende... Talvez se você for a rainha ou alguns de seus chegados mais próximos, quem sabe (sabe-se lá que tipo de limitações tem uma pessoa que pensaria nessa possibilidade já no nível zero ponto um de seriedade)? Mas ser um operário, definitivamente não é um bom negócio. Gastar a vida toda numa rotina repetitiva de escravidão ao serviço a que foi treinado não parece atraente. Há cerca de 14 espécies de formiga que escravizam outras. A rainha solitária que veio preparada de um outro reino fórmico já dominado, invade um novo reino e observa se o reino é novo. Dessa maneira ela pode decidir se vai matar a rainha agora ou depois. O momento da morte da rainha hospedeira é determinado pelo nível de evolução de seu formigueiro. Se – ou quando - já houverem os trabalhadores para presenciar sua morte, é chegada a sua hora. É dessa maneira que se inicia uma nova colonização num reino que agora, sob nova direção, vai fazer toda a sorte de trabalhos em nome de novos guerreiros invasores, crescendo, se alimentando e se tornando novos escravocratas. Pera aí, quando elas estavam copiando coisas boas e/ou interessantes, tava legal. E agora elas também escravizam? Estão copiando as coisas ruins dos homens? Que merda! Em um determinado momento, quando essas espécies evoluírem um pouco e não escravizarem mais ninguém, vão estar numa situação de já ter roubado e saqueado o bastante as outras espécies. Haverá de haver uma reparação...

Leia Mais
Pense pequeno
ago25

Pense pequeno

Um jornalista que eu não gosto, mas confesso que as vezes rio de suas palhaçadas, disse uma coisa uma vez muito legal - de maneira despretensiosa talvez (quem sabe?) - que dá uma bela discussão sobre filosofias de vida. A frase era: “ - O futebol é, das coisas menos importantes, a mais importante!”. O jornalista chama-se Milton Neves e ele, obviamente, é jornalista de futebol muito conhecido pra quem acompanha o noticiário esportivo. O mais interessante é que isso tenha acontecido justamente pouco tempo antes de um amigo que tenho - que gosta de me ouvir filosofar sobre as constantes e inquietantes ideias que pipocam na minha cabeça – ter me feito a seguinte pergunta: “ - Alexandre, você é um torcedor tão apaixonado por futebol, assiste a todos os jogos, sabe os nomes de jogadores... você é um cara tão inteligente, te acho tão inteligente... como você pode perder tempo com isso? Isso não combina!” A pergunta, embora possa parecer pertinente, não o é. E explico: Não há, simplesmente não há maneira de viver no mundo espiritual o tempo todo nem que você seja um monge tibetano. Primeiro de tudo porque você precisa cagar e mijar. E comer. Você é humano. E sua realidade é bem diferente da de um monge tibetano. É óbvio que parar pra pensar na vida, na morte, nos seus valores, no que é importante de verdade, é necessário de vez enquanto na vida. Especialmente quando acontecimentos carregados de emoção passam por nossas vidas. Mas mesmo aqueles que dizem odiar futebol, por achar que isso é algo como um ópio do povo – e talvez estejam certos – também têm seus próprios ópios. Cada um termina gastando parte do seu tempo com uma coisa bem, digamos, terrena. Seja uma coleção de vinis cada vez mais velhos, raros e empoeirados (o que na cabeça de um fã de futebol pode parecer uma besteira tão grande quanto a paixão por futebol aos olhos do colecionador), coleção de selos, restauração de carros, bonés, relógios, conchas e até pedras. Quando é que vão cessar os julgamentos sobre como os outros, que pagam suas contas e vivem honestamente, gastam seus “amores terrenos”? Ou você passa o tempo todo pensando na...

Leia Mais